A taxa de desemprego no trimestre de junho a agosto ficou em 14,4%, o percentual mais alto já registrado desde que a atual metodologia entrou em vigor, em 2012, segundo dados da Pnad Contínua, do IBGE.

Em relação ao mesmo período do ano passado, o crescimento no desemprego foi de 2,6 pontos percentuais — de 11,8% para os atuais 14,4%. Na comparação com os três meses anteriores, o avanço foi de 1,6 ponto percentual — de 12,9% para 14,4%.

Na prática, o número de brasileiros desempregados cresceu 1,1 milhão em relação ao trimestre anterior, e 1,2 milhões sobre o mesmo período do ano passado.

Abaixo, o 6 Minutos traz outros dados da Pnad Contínua:

  •  Trabalho com carteira assinada despenca: O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (exclusive trabalhadores domésticos), estimado em 29,1 milhões, foi o menor da série, caindo 6,5% (menos 2,0 milhões de pessoas) frente ao trimestre anterior e de 12,0% (menos 4,0 milhões de pessoas) ante o mesmo trimestre de 2019.
  • Trabalho doméstico fecha vagas: O número de trabalhadores domésticos (4,6 milhões de pessoas) é o menor da série, caindo 9,4% (menos 473 mil pessoas) frente ao trimestre anterior e 27,5% (menos 1,7 milhão de pessoas) frente ao mesmo trimestre de 2019.
  • Vagas menos qualificadas perdem mais: O rendimento médio real (R$ 2.542) no trimestre terminado em agosto subiu 3,1% frente ao trimestre anterior e 8,1% contra o mesmo trimestre de 2019. Isso sugere que posições que pagam melhor sofreram menos cortes do que atividades com remuneração pior, levando ao desemprego uma população mais vulnerável.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).