A economia brasileira continuou a crescer na abertura do quarto e último trimestre do ano, embora o ritmo de expansão tenha se desacelerado. Em outubro, o avanço na produção foi de 0,17% na comparação com setembro. O resultado é inferior aos 0,44% visto entre setembro e agosto, segundo mostrou o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), uma espécie de prévia do PIB (Produto Interno Bruto), divulgado nesta sexta-feira (13).

Isso é bom? O resultado foi maior que o esperado por analistas ouvidos pela agência Reuters, que estimavam, em média, um avanço de 0,10% em outubro na comparação com setembro.

É melhor que o resultado do ano passado? Sim. O IBC-Br apresentou ganho de 2,13% na comparação com outubro de 2018. No acumulado de 12 meses, houve uma alta de 0,96%.

No trimestre entre agosto e outubro, o avanço foi de 0,74% ante o período imediatamente anterior. Esse intervalo, entretanto, não é comparável com o do PIB oficial, calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O que deve acontecer com a economia no quarto trimestre? Analistas esperam a continuidade do crescimento, por causa da liberação de recursos do FGTS — que impactaram o varejo, incluindo a Black Friday — e do aumento da confiança em decorrência da aprovação da reforma da Previdência em outubro. A recuperação do setor da construção é outro elemento que deve impulsionar a economia no período.

(Com Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.