SÃO PAULO (Reuters) – As contas de luz no Brasil seguirão com bandeira tarifária vermelha patamar 2 no mês de julho, que prevê o maior custo adicional em momentos de menor oferta no sistema, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta sexta-feira, em meio à seca nas principais bacias hidrográficas.

O valor a ser pago pelos consumidores, porém, será informado somente na próxima terça-feira (26), data em que a atualização dos valores das bandeiras será deliberada pela diretoria da Aneel, acrescentou a agência.

A bandeira mais custosa do sistema da agência já havia sido adotada em junho, até então com custo adicional de 6,243 reais para cada 100kWh consumidos.

O acionamento da bandeira vermelha patamar 2 ocorre diante da grave crise hídrica enfrentada pelo Brasil, que afeta as operações de geração de energia hidrelétrica e obriga um acionamento maior de recursos termelétricos, mais custosos.

“Em junho, as afluências nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN) estiveram entre as mais críticas do histórico”, disse a Aneel em comunicado.

“Julho inicia-se com mesma perspectiva hidrológica desfavorável, com os principais reservatórios do SIN em níveis consideravelmente baixos para essa época do ano.”

A agência acrescentou que a conjuntura pressiona os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD), as duas variáveis que determinam a cor da bandeira tarifária, levando à necessidade do acionamento da bandeira vermelha patamar 2.

(Por Gabriel Araujo)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).