Mesmo com menos dinheiro no bolso, a Black Friday continua sendo a principal data de compra para o consumidor brasileiro. Levantamento da Linx Digital mostra que o número de pedidos em marketplaces na segunda semana de novembro cresceu 112% em relação a igual período de 2020.

Mas os preços não estão muito convidativos, já que a inflação encareceu a maioria dos produtos mais buscados na Black Friday. Um indicativo de que os preços estão mais salgados é que o aumento na receita da segunda semana foi de 128%, maior que o crescimento de vendas.

O levantamento da Linx mostra que o consumidor aumentou a utilização das ferramentas de omnicanalidade. Nesta segunda semana de novembro, a modalidade pick-up store (compra on-line e retira na loja física) cresceu 64% no número de pedidos. Já o ship from store (compra online e o pedido é entregue na loja mais próxima) teve um crescimento de 53,2%, ambos comparados com o mesmo período de 2020.

O avanço dessas modalidades pode ser visto na prática. Grandes varejistas, como Americanas, Magalu e Via, transformaram suas lojas físicas em hubs logísticos para baratear e acelerar a entrega dos produtos do e-commerce.

O que os consumidores querem?

Levantamento do Mercado Livre mostra que o grande interesse continua sendo por eletrônicos. Veja abaixo:

  • Celular
  • Notebooks
  • ps5
  • Geladeira
  • Ventilador
  • iPhone
  • ps4
  • PC gamer
  • Microondas
  • Relógio smartwatch
  • Tênis
Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).