A estratégia agressiva da Amazon no serviço de entrega brasileiro derrubou o valor de mercado de suas principais concorrentes no varejo. As ações da B2W, do Magazine Luiza, da Via Varejo e das Lojas Americanas encerraram o dia com as maiores desvalorizações do Ibovespa.

De quanto foi essa desvalorização? Levantamento da consultoria Economatica mostra que a desvalorização chegou a R$ 4,7 bilhões de reais. A maior perda foi a do Magazine Luiza, cujo valor de mercado recuou R$ 2,570 bilhões. Em seguida, vem a B2W, com perda de R$ 960 milhões. Aparece em seguida a rede Lojas Americanas, com menos R$ 894 milhões. A Via Varejo perdeu R$ 297 milhões em valor de mercado.

Por que as varejistas foram afetadas pela entrada da Amazon? A entrega é justamente um dos gargalos do comércio eletrônico no Brasil, que costuma cobrar altas taxas e oferecer em troca prazos longos. O valor também é muito competitivo: R$ 9,90 por mês, valor que cobre frete grátis e ilimitado, além de acesso a conteúdos de vídeo, livros, música e jogos.

Mas essa entrega da Amazon é tão inovadora assim? O plano anual de frete não é novidade. A Americanas oferece isso há dois anos por R$ 79. Os prazos de entrega das concorrentes também são muito competitivos: a maioria não passa dos dois dias. O que muda mesmo são os outros serviços oferecidos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).