SÃO PAULO (Reuters) – A estatal Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) reduziu nesta quinta-feira estimativas para a produção total de milho do Brasil na temporada 2020/21, para 96,39 milhões de toneladas, ante 106,4 milhões no mês passado, em meio a quebras previstas para a segunda safra do cereal.

As projeções para as importações de milho pelo Brasil foram ampliadas, para 2,3 milhões de toneladas, enquanto as de exportação foram reduzidas para 29,5 milhões de toneladas, frente a 35 milhões nas previsões de maio.

Sobre as aquisições externas, a Conab disse que o ajuste “ocorre após constatação da elevação das importações de milho no primeiro semestre de 2021 em percentual superior à 60% ao observado no mesmo período de 2020, e expectativa de ampliação também no segundo semestre”.

A Conab ainda cortou a projeção da segunda safra de milho para 69,95 milhões de toneladas, de 79,8 milhões na previsão passada.

A estatal projetou a safra de soja do Brasil 2020/21 em recorde de 135,86 milhões de toneladas, com leve alta frente aos 135,4 milhões vistas no mês anterior.

A produção de algodão do país deve somar 2,34 milhões de toneladas (pluma), ante 2,44 milhões estimados previamente.

Já a safra de trigo do Brasil em 2021 foi estimada pela Conab em 6,94 milhões de toneladas, de 6,639 milhões anteriormente.

(Por Luciano Costa)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).