Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) pediu nesta terça-feira autorização para realizar uma oferta inicial de ações (IPO), na qual buscará recursos para financiar seu crescimento orgânico e para comprar rivais.

A operação, que será coordenada por Bank of America, BTG Pactual, Bradesco BBI, Citi e XP, servirá também para que o acionista controlador do negócio, a Votorantim SA, venda uma participação no negócio.

A CBA, que se apresenta como única companhia integrada de alumínio do Brasil, tem três unidades de produção de bauxita, matéria-prima para produção de alumínio, em Barro Alto (GO), Zona da Mata (MG) e Poços de Caldas (MG). De lá parte o insumo para a fábrica da empresa em Alumínio (SP).

A empresa também tem uma planta de reciclagem de alumínio para produção de tarugos, em São Paulo, e outra de produção de folhas e chapas de alumínio, em Pernambuco, além de 21 usinas hidrelétricas para atender a própria demanda por energia.

No prospecto preliminar da oferta, a CBA informa que teve receita líquida de 1,79 bilhão de reais no primeiro trimestre, 43% a mais do que um ano antes, enquanto a margem Ebitda ajustada subiu de 12,9% para 20,1%.

A companhia calcula um investimento de 581 milhões de reais até 2025 para atualizar sua tecnologia de fornos de fundição, além de 307 milhões de reais para desenvolver disposição a seco de resíduos.

A CBA ainda planeja investir 795 milhões de reais no período para aumentar a produção de alumínio, 190 milhões de reais entre 2023 e 2026 para um projeto de geração de energia renovável.

Por fim, calcula que empregará 2 bilhões de reais entre 2023 e 2025 para montar uma unidade de produção de 4,5 milhões de toneladas de bauxita por ano no Pará.

O anúncio acontece em meio a uma escalada dos preços mundiais de commodities metálicas, apoiada na expectativa de que a demanda hoje já forte da China por esses produtos deve ser ampliada nos próximos meses e anos por outros grandes mercados, como o dos Estados Unidos, diante das expectativas de maiores gastos em infraestrutura para tentar ajudar a aliviar os efeitos econômicos da pandemia da Covid-19.

No mês passado, a siderúrgica CSN concluiu a listagem de sua unidade de minério de ferro CSN Mineração. Também nesta terça-feira, a CSN anunciou que fará IPO de outra unidade, a CSN Cimentos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).