Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) – Produtores brasileiros de soja, que iniciaram tarde o plantio devido ao clima seco nos últimos meses de 2020, colheram até o momento apenas 0,4% da área cultivada com soja nesta temporada, disse a consultoria AgRural nesta segunda-feira.

No mesmo período do ano passado, o Brasil já havia colhido 1,8% da área plantada, acrescentou a AgRural em boletim, mesmo com o país tendo semeado um recorde de mais de 38 milhões de hectares para o ciclo 2020/21.

Os trabalhos estão mais avançados em Santa Catarina, onde os produtores plantaram a oleaginosa dias antes do calendário usual. O segundo Estado mais avançado é o Mato Grosso, principal produtor de grãos do Brasil.

A consultoria disse que, após um início com clima seco, chuvas e temperaturas ajudaram no desenvolvimento da safra em janeiro. Mas há relatos, no entanto, de chuvas escassas em parte do Rio Grande do Sul, Maranhão, Tocantins, Bahia e ao norte e leste do Mato Grosso.

Projeções de chuva na segunda quinzena de janeiro, se confirmadas, devem ajudar essas áreas, apontou a AgRural.

Em dezembro, a AgRural estimou a produção de soja do Brasil em 131,7 milhões de toneladas. Esses números serão revisados e uma nova projeção deve ser divulgada nesta semana, segundo a consultoria.

MILHO VERÃO

A colheita da primeira safra de milho atingiu 3,4% da área no Centro-Sul do Brasil, acima dos 2,5% no mesmo período do ano anterior, segundo a AgRural.

A maior parte dos trabalhos ocorreu no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, onde relatos iniciais de produtividade apontam para quebra de safra por questões climáticas, de acordo com a consultoria.

O governo brasileiro prevê uma safra de milho verão de 23,911 milhões de toneladas e uma produção total de milho de 102,313 milhões de toneladas neste ano.

A maior parte do milho do Brasil é plantada em áreas de soja depois que os agricultores colhem a oleaginosa.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).