A clonagem de WhatsApp faz 15 mil vítimas por dia no Brasil, segundo dados do dfndr lab, laboratório de cibersegurança da PSafe. Esse é o segundo golpe mais cometido durante a pandemia, perdendo apenas para os financeiros.

Só em 2020, mais de 5 milhões de brasileiros foram vítimas da clonagem de WhatsApp, segundo a PSafe. Mas como não cair nesse tipo de golpe?

A recomendação mais fácil e simples de ser aplicada é a ativação da autenticação em dois fatores do WhatsApp. “Ao ativar essa proteção, você cria uma senha que será uma camada extra de segurança para sua conta”, diz o PSafe.

Maria Inês Dolci, especializada em defesa do consumidor, diz que é preciso usar o bom senso ao receber pedidos de dinheiro por WhatsApp. “Parentes e amigos não ficam pedindo dinheiro por WhatsApp. A pessoa marca uma reunião, encontra com você, não liga no meio da noite com um pedido desesperado de ajuda.”

Além disso, ela orienta que uma análise mais fria do conteúdo da mensagem. “É preciso ver como está sendo feita a abordagem, como a pessoa está escrevendo, em que hora a mensagem está sendo enviada. O ideal é entrar em contato com a pessoa por outro telefone.”

Golpes financeiros

Segundo a PSafe, os golpes financeiros ocupam o topo da lista de golpes mais frequentes durante a pandemia. Foram registradas mais de 1,6 milhões de detecções em 2021, somente no Brasil, o que representa uma média de mais de 17 mil ataques ao dia.

Veja os golpes mais comuns:

  • Atualização de fatura
  • Resgate de milhas
  • Clonagem de cartão de crédito

Como os golpistas agem? O criminoso coleta as informações bancárias e de cartão de crédito da vítima em sites falsos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).