Por Hugh Bronstein e Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) – Chuvas mais fortes do que o esperado na Argentina nas últimas semanas melhoraram as previsões para as safras de milho e soja em 2021/22, enquanto um analista espera um “super recorde” para a produção de trigo na atual campanha, apesar da presença do fenômeno climático La Niña.

Com a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BdeC) estimando a colheita de trigo de 21/22 em 19,8 milhões de toneladas e a Bolsa de Valores do Rosário em 20,4 milhões, o analista Pablo Adreani disse que projeta uma produção histórica do cereal de 23 milhões de toneladas.

Segundo dados do BdeC, até o momento a maior colheita de trigo da Argentina foi de 19 milhões de toneladas.

“As chuvas de meados de outubro e início de novembro aliviaram a estiagem que preocupava o mercado”, disse Adreani, da consultoria Pablo Adreani y Asociados. “As chuvas chegaram na época ideal para o trigo”, disse ele, referindo-se aos principais estágios de desenvolvimento das plantas.

As chuvas ocorreram apesar da presença do fenômeno La Niña, que na principal região agrícola da Argentina se manifesta na diminuição do nível de chuvas. Isso também melhorou as perspectivas para o milho e a soja, as duas principais safras da Argentina.

No momento, a BdeC estima a safra de milho 2021/22 em recorde de 55 milhões de toneladas e a de soja em 44 milhões de toneladas.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).