BUENOS AIRES (Reuters) – As chuvas e o clima ameno registrados desde o início do mês na região central da Argentina melhoraram as perspectivas para a produtividade da soja na safra 2020/21, disse nesta quinta-feira a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BdeC), que atualmente estima uma colheita de 46 milhões de toneladas da oleaginosa.

Até o mês passado, a Argentina –maior exportadora de óleo e farelo de soja do mundo– registrava chuvas abaixo do normal, o que acendeu alertas entre produtores, cujos cultivos entraram em estágios decisivos para o desenvolvimento.

“Continua a melhora das áreas plantadas sobre grande parte das províncias de Córdoba, Santa Fe e em ambos os núcleos agrícolas. Essas regiões informam rendimentos esperados acima dos que eram projetados antes das chuvas do início deste mês”, disse a BdeC.

Apesar disso, a bolsa explicou que o clima das próximas semanas será determinante para que as novas expectativas se mantenham, e que regiões produtoras do norte do país possuem uma oferta hídrica limitada.

Na semana passada, a Bolsa de Comércio de Rosario elevou sua previsão para a safra de soja argentina a 49 milhões de toneladas, e a de milho para 48,5 milhões de toneladas, graças às chuvas recentes.

Em relação ao milho 2020/21, cuja safra a BdeC também estima em 46 milhões de toneladas, a bolsa de Buenos Aires disse que as chuvas das últimas semanas foram favoráveis para às áreas do cereais semeadas de maneira tardia.

(Reportagem de Maximilian Heath)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).