O banco central da China anunciou que todas as transações com criptomoedas são ilegais e devem ser proibidas, o sinal mais claro até agora de sua determinação em reprimir o setor.

Todas as criptomoedas, incluindo bitcoin e tether, não são moedas fiduciárias e não podem circular no mercado, segundo comunicado publicado no site do Banco Popular da China (PBOC, na sigla em inglês). Todas as transações relacionadas às moedas digitais, como serviços prestados por bolsas offshore para residentes domésticos, são atividades financeiras ilícitas, disse o PBOC no comunicado.

O bitcoin chegou a cair 5,5% na sexta-feira depois do anúncio da nova diretriz, que coincide com a tensão nos mercados globais cada vez mais preocupados com a crise de dívida da incorporadora imobiliária China Evergrande. O governo chinês também pode estar respondendo a sinais de que mineradores estão dissimulando as atividades para permanecer no mercado.

Vijay Ayyar, chefe para Ásia-Pacífico da bolsa de criptomoedas Luno em Singapura, disse que, embora o governo chinês tenha feito declarações semelhantes no passado, é “um ambiente ligeiramente nervoso para as criptomoedas com os comentários recentes da SEC e ambiente macro com as notícias da Evergrande. Portanto, qualquer comentário dessa natureza causará uma venda de ativos de risco”.

A agência de planejamento econômico da China disse que é uma tarefa urgente erradicar a mineração de criptomoedas e que o controle é importante para cumprir as metas de emissão de carbono.

Investidores devem esperar “uma reação automática dos preços” com as medidas da China para frear o bitcoin, disse Antoni Trenchev, cofundador do credor de criptomoedas Nexo. “A recente retomada em relação a pouco menos de US$ 40.000 chegou ao fim por enquanto.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).