Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – A CCR previu nesta sexta-feira disputa moderada pelas concessões de infraestrutura no Brasil em 2021, na esteira da crise provocada pela pandemia da Covi-19.

“Achamos que os concorrentes devem ser os que já conhecemos, não deve entrar ninguém novo”, disse o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, Waldoz Leskovar, durante teleconferência com analistas.

Para este ano, estão previstos os leilões de concessão das rodovias BR-153, BR-163, BR-381 e Via Dutra, hoje sob gestão da CCR, liga São Paulo a Rio de Janeiro.

A CCR planeja disputar a concessão das Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em São Paulo, e uma nova rodada de aeroportos.

Já o presidente-executivo da companhia, Marco Antonio Souza Cauduro, disse que o foco para os próximos anos será em setores nos quais a CCR já atua (aeroportos, rodovias, mobilidade urbana) e que avalia a rentabilidade em projetos de saneamento antes de decidir se participará de licitações no setor.

“Vamos avaliar de forma muito seletiva a entrada em novos negócios”, disse Cauduro.

Os executivos acrescentaram ainda que internacionalização não é foco para CCR nos próximos anos.

A CCR anunciou na véspera que teve no quarto trimestre alta do tráfego nas rodovias que administra pela primeira vez desde o início da pandemia, refletindo menores restrições à circulação, mas teve prejuízo devido a baixa contábil.

As ações da empresa subiam 0,9% às 14h05, enquanto o Ibovespa mostrava variação positiva de 1,5%.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).