O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira (21) que o dado positivo do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) de julho é “excelente sinal” de que a economia pode fazer retorno em formato de V, embora tenha admitido que essa retomada será mais lenta que a queda.

Em participação não usual na coletiva do Caged, Guedes classificou o resultado de julho como “notícia extraordinária” após a destruição líquida de postos causada pela pandemia de coronavírus. No último mês, foram abertos 131.010 vagas formais de trabalho no país.

Guedes avaliou ainda que o dado corrobora hipótese de trabalho da equipe econômica de que a retração econômica do Brasil será menor do que a esperada por muitos agentes.

“Revisões estão agora confirmando que PIB brasileiro pode cair 4%, pouco acima de 4%, mas praticamente a metade do que havia sido previsto antes”, disse ele, complementando que dados mais recentes de energia elétrica, arrecadação, vendas e crédito têm todos dado sinais de fortalecimento da atividade.

Guedes avaliou que o benefício emergencial pago a trabalhadores que tiveram jornada reduzida ou contrato de trabalho suspenso talvez tenha sido o programa mais efetivo do governo em termos de gastos, considerando a preservação de 16 milhões de empregos atingida.

“O programa está tendo tanto êxito que vamos estendê-lo por mais dois meses para justamente continuar preservando esses empregos enquanto a economia brasileira faz essa volta em V”, disse ele.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.