NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do café arábica na ICE avançaram para o maior nível em mais de quatro anos nesta quinta-feira, impulsionados pela perspectiva de uma safra muito menor no Brasil neste ano e expectativas de que a demanda possa começar a se recuperar em breve.

CAFÉ

* O café arábica para julho fechou em alta de 4,45 centavos de dólar, ou 3,0%, a 1,543 dólar por libra-peso, maior nível desde janeiro de 2017.

* O mercado tem sido apoiado pelo clima seco no Brasil nos últimos meses, o que deve reduzir a safra deste ano no maior produtor global da commodity e contribuir para um cenário de oferta mais apertada nos próximos meses.

* “A incerteza em torno do atual volume da safra brasileira, cuja colheita já começou e possui expectativas de ser muito fraca, está desencorajando produtores a vender quaisquer quantidades significativas”, disse o Commerzbank em nota.

* “Ao mesmo tempo, o progresso feito com a vacinação contra o coronavírus em diversos países está aumentando as esperanças que a demanda irá avançar”, acrescentou o banco.

* Protestos na Colômbia estão prejudicando o fluxo de café para os mercados de exportação, afirmou a federação local do setor.

* O café robusta para julho fechou em alta de 9 dólares, ou 0,6%, a 1.547 dólares por tonelada.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto para julho ​​fechou em alta de 0,02 centavo de dólar, ou 0,1%, a 17,55 centavos de dólar por libra-peso, tendo cravado uma máxima contratual de 17,89 centavos durante a sessão.

* Operadores afirmaram que o mercado tem sido apoiado por um cenário em deterioração para a produção no centro-sul do Brasil, após clima mais seco que o normal.

* “Há também uma clara falta de vendas por produtores com as usinas brasileiras bem precificadas”, afirmou um operador.

* O real avançou mais de 1,5% contra o dólar nesta quinta-feira, afastando as usinas das vendas.

* O açúcar branco para agosto​​ fechou em alta de 2,10 dólares, ou 0,5%, a 462,90 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).