SÃO PAULO (Reuters) – O BTG Pactual Timberland Investment Group (TIG) anunciou nesta quarta-feira projeto com a organização ambiental Conservação Internacional (CI) para reflorestamentos na América Latina, um acordo que pretende movimentar 1 bilhão de dólares ao longo de cinco anos, principalmente em compras de terras desmatadas.

O TIG –grupo de gestão de investimentos em florestas detido 100% pelo BTG Pactual– pretende direcionar os recursos para adquirir propriedades desmatadas na América Latina, começando por Brasil, Uruguai e Chile, onde milhões de hectares de terras desflorestadas podem ser recuperadas.

A organização ambiental CI vai atuar como conselheira técnica do TIG na chamada estratégia Landscape Capital, para compra de terras desmatadas e reflorestamento com mata nativa, disse o banco de investimento em nota.

Além de proporcionar “significativos benefícios climáticos, ambientais e sociais”, o projeto gera oportunidades de investimento, além de oportunidade de compensações de emissão de carbono, em momento em que empresas buscam maior engajamento em práticas sustentáveis, destacou o banco.

As pesquisas mostram que as soluções baseadas na natureza (NCS em inglês) –esforços para proteger, manejar e restaurar sistemas florestais, pastagens e zonas úmidas– pode fornecer pelo menos 30% da mitigação necessária para limitar o aquecimento a 1,5 °C, disse o banco.

Para Gerrity Lansing, sócio do BTG Pactual e Head do TIG, as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade estão entre os desafios mais urgentes do mundo.

“A restauração e a oferta de reflorestamento estão entre as melhores opções para mitigação climática, além de trazer outros benefícios para a população e o planeta. A América Latina é uma região com enorme potencial para projetos como este…”, afirmou em comunicado.

Todas as propriedades serão certificadas pelo Forest Stewardship Council, entidade reconhecida como padrão independente e terceirizado de sustentabilidade.

“Esta iniciativa é mais um exemplo importante de como o setor florestal pode oferecer retornos financeiros para os investidores por meio de reflorestamento…”, disse Lansing.

Como parte da estratégia mais ampla, o TIG também investirá no desenvolvimento de instalações de processamento que terão como alvo produtos florestais que geram impactos positivos para o clima, tais como madeira maciça que pode armazenar carbono sequestrado da atmosfera e para substituir materiais intensivos de carbono não renováveis.

Além de plantar milhões de árvores com manejo sustentável em florestas comerciais certificadas, o plano é também fornecer milhões de toneladas de compensação de emissões de carbono e apoiar o desenvolvimento inclusivo das comunidades locais.

(Por Roberto Samora)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).