O Bradesco superou com folga previsões do mercado para o lucro do quarto trimestre, uma vez que o controle de despesas operacionais e o aumento do crédito compensaram o efeito de maiores provisões para perdas com calotes devido aos efeitos da pandemia da Covid-19.

O segundo maior banco privado do país anunciou nesta quarta-feira que seu lucro de outubro a dezembro somou 6,8 bilhões de reais, alta de 2,3% ante mesma etapa de 2019, excluindo efeitos extraordinários. O número veio bem acima da previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de lucro de 5,546 bilhões de reais para o período.

A rentabilidade sobre o patrimônio, que mede como um banco remunera seu acionista, caiu 1,2 ponto percentual, para 20%, mas ficou muito acima da previsão média de analistas, de 16,1%

A provisão para perdas esperadas com calotes no trimestre, de 4,568 bilhões de reais, foi 14,7% maior ano a ano. Porém, o índice de inadimplência acima de 90 dias ficou em 2,2%, queda sequencial de 0,1 ponto e recuo de 1,1 ponto no ano a ano.

A carteira expandida de crédito do Bradesco fechou dezembro em 687 bilhões de reais, aumento de 10,3%.

O presidente-executivo do Bradesco, Octavio de Lazari, afirmou que o desempenho mostrou a capacidade do banco de enfrentar cenários adversos. “Crescemos no crédito, reduzimos a inadimplência e adotamos como mantra a austeridade total na estrutura de custos da organização, inclusive com a consolidação das agências sobrepostas”, afirmou Lazari.

O banco teve queda de 9,3% nas despesas operacionais no trimestre, no comparativo ano a ano, a 11,48 bilhões de reais. O recuo nessa linha veio em parte com redução de 6 mil funcionários no quadro de pessoal do Bradesco nos últimos três meses do ano passado.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).