Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta quarta-feira uma maior concorrência no mercado de combustíveis e disse que o governo apura a suspeita de que refinarias estariam refinando uma quantidade reduzida de óleo diesel, obrigando o Brasil a importar esse insumo e o que, consequentemente, encarece o preço final pago pelo consumidor.

Bolsonaro disse que a Petrobras pode colaborar com outros órgãos no combate a cartéis e adulteração de combustíveis e defendeu que é preciso diversificar “o máximo possível” a questão das refinarias.

“Nós poderíamos estar refinando mais e há interesse, estamos apurando se é verdade, que há interesse em refinar menos para nos obrigar a importar óleo diesel, o que encarece o óleo diesel”, disse.

O presidente afirmou que quer avaliar a atuação do que chamou de “cartéis”, sem dar detalhes, e que tem discutido com a Agência Nacional do Petróleo formas para se abrir mais o mercado e “não ficar preso a alguns monopólios que existem aqui”.

As falas do presidente estão na esteira da troca do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, após sucessivos aumentos no preço dos combustíveis desde o início do ano. Bolsonaro decidiu indicar o general reformado Joaquim Silva e Luna para o comando da estatal, o que provocou uma forte queda nas ações da empresa na bolsa de valores.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).