RIO DE JANEIRO (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro ameaçou nesta quarta-feira reagir fora dos limites da Constituição após se tornar alvo de um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) que vai investigar seus ataques ao sistema eleitoral.

“Esse inquérito não está dentro das quatro linhas da Constituição, então o antídoto para isso também não é dentro das quatro linhas da Constituição”, disse Bolsonaro em transmissão ao vivo pelas redes sociais.

“Meu jogo é dentro das quatro linhas, mas se começar a chegar coisas fora das quatro linhas, vou ser obrigado a agir fora das quatro linhas”, acrescentou o presidente, citando como exemplo o inquérito aberto pelo STF, que chamou de “inquérito da mentira”.

O presidente fez as declarações pouco depois de o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acolher notícia-crime encaminhada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra Bolsonaro sobre os ataques ao sistema eleitoral e determinar a “imediata investigação em face das condutas do presidente da República”.

Em seu despacho, Moraes cita declarações de Bolsonaro contra o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, e a favor de uma manifestação popular em São Paulo, descrita por Bolsonaro como “último recado para que eles entendam o que está acontecendo”.

O ministro do STF pediu a transcrição pela Polícia Federal do vídeo da live de Bolsonaro da última quinta-feira –quando mostrou antigos vídeos desmentidos anteriormente como indícios de irregularidades das urnas eletrônicas– e a oitiva dos envolvidos na mesma na condição de testemunhas.

Bolsonaro reiteradamente tem dito que o sistema de urnas eletrônicas não é confiável, já afirmou que um eleição sem voto impresso não terá legitimidade e chegou a colocar em dúvida a realização das eleições do ano que vem.

(Por Pedro Fonseca; Edição de Alexandre Caverni)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).