As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira (29), após o tombo visto ontem em Wall Street em meio a preocupações com o avanço da Covid-19 e a proximidade da eleição presidencial dos Estados Unidos. Mas as perdas na região foram contidas por um terceiro dia seguido de ganhos nos mercados chineses.

Em Tóquio, o Nikkei caiu 0,37%, a 23.331,94 pontos, após o Banco do Japão (BoJ) deixar sua política monetária inalterada, como se previa, e piorar sua projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB) do país no ano fiscal que se encerra em março de 2021, de 4,7% a 5,5%.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng recuou 0,49%, a 24.586,60 pontos, o sul-coreano Kospi cedeu 0,79% em Seul, a 2.326,67 pontos, e o Taiex registrou queda de 1,02% em Taiwan, a 12.662,91 pontos.

O mau humor predominou após as bolsas de Nova York caírem mais de 3% na quarta-feira, influenciadas pela disseminação do novo coronavírus nos Estados Unidos e na Europa e mostrando cautela antes da eleição presidencial americana, marcada para terça-feira (3).

Os mercados da China continental ficaram no azul pelo terceiro pregão consecutivo, no entanto, ajudando a limitar a desvalorização de outras bolsas asiáticas. O Xangai Composto subiu 0,11%, a 3.272,73 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,47%, a 2.249,57 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o tom majoritário na Ásia, e o S&P/ASX 200 caiu 1,61% em Sydney, a 5.960,30 pontos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).