As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta segunda-feira, 21, após relatos sobre atividades ilícitas derrubarem as ações dos bancos britânicos HSBC e Standard Chartered em Hong Kong. Além disso, o banco central chinês decidiu manter juros de referência inalterados pelo quinto mês consecutivo.

O índice Hang Seng liderou as perdas, com queda de 2,06% em Hong Kong, a 23.950,69 pontos. Os papéis do HSBC e do Standard Chartered sofreram baixas de 5,33% e 6,18%, respectivamente, atingindo os menores níveis desde 1995 e 2002. O tombo veio após relatos de que os dois bancos britânicos movimentaram amplas somas de fundos ilícitos por quase duas décadas.

Na China continental, o Xangai Composto caiu 0,63%, a 3.316,94 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,52%, a 2.208,30 pontos. O PBoC — como é conhecido o BC chinês — deixou hoje inalteradas suas taxas de juros de referência para empréstimos de curto e longo prazos pelo quinto mês seguido. A chamada LPR de um ano permaneceu em 3,85% e a LPR para empréstimos de cinco anos ou mais longos ficou em 4,65%.

Na avaliação da Capital Economics, o próximo movimento da China deverá ser de elevar as LPRs, possivelmente no começo do próximo ano, uma vez que a segunda maior economia do mundo já voltou em boa parte aos patamares em que estava antes da crise do coronavírus e o PBoC está relutante em manter uma política monetária acomodatícia por mais tempo que o necessário.

Em outras partes da Ásia, o índice sul-coreano Kospi teve baixa de 0,95% em Seul nesta segunda-feira, a 2.389,39 pontos, e o Taiex caiu 0,63% em Taiwan, a 12.795,12 pontos. Já a Bolsa de Tóquio não operou, devido a um feriado nacional no Japão.

Na Oceania, a bolsa australiana também ficou no vermelho, pressionada por ações de grandes bancos domésticos e de mineradoras. O S&P/ASX 200 recuou 0,71% em Sydney, a 5.822,60 pontos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.