BRASÍLIA (Reuters) – O Orçamento de 2022 deve ter espaço para elevar o benefício médio do programa Bolsa Família para um valor próximo a R$ 300, mas isso comprimirá o espaço para outras despesas, como investimento, disse nesta quinta-feira (22) o secretário Especial de Fazenda, Bruno Funchal.

Segundo Funchal, a estimativa é que o Orçamento do ano que vem terá uma margem de R$ 25 a R$ 30 bilhões para o cumprimento da regra do teto, que limita o crescimento das despesas anuais à variação da inflação no período anterior.

Esse valor seria suficiente para levar o valor médio do Bolsa Família a R$ 300, segundo Funchal. A elevação do valor do programa, atualmente em cerca de R$ 190, foi anunciada nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro, segundo o qual ela valerá a partir de novembro deste ano.

“Tem espaço, mas acaba comprimindo o espaço para outras coisas, por exemplo, investimentos”, disse Funchal.

Em entrevista coletiva virtual para comentar os dados do Relatório de Receitas e Despesas do terceiro bimestre, o secretário disse, ainda, que as estimativas mais recentes da Secretaria de Política Econômica apontam que o país poderá voltar a ter superávit primário em 2023 e 2024.

(Por Isabel Versiani)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).