Evo Morales anunciou neste domingo, em pronunciamento pela televisão, sua renúncia à presidência da Bolívia, após ser pressionado pelas Forças Armadas e por intensos protestos nas principais cidades do país.
Há três semanas, Morales vinha enfrentando manifestações contra sua reeleição.
Na manhã de hoje, ele havia convocado novas eleições no país e uma mudança total do corpo eleitoral, pouco depois de tomar conhecimento sobre um relatório preliminar da Organização dos Estados Americanos (OEA) que encontrou irregularidades nas eleições.

“Decidi renovar o Supremo Tribunal Eleitoral e convocar novas eleições”, disse Morales em comunicado à imprensa, sem mencionar o relatório da OEA. O presidente solicitou a todos os órgãos do governo uma mobilização para pacificar o país. “Todos temos que pacificar a Bolívia”, disse.

A comissão de auditoria da Organização dos Estados Americanos (OEA) recomendou a realização de novas eleições com um novo tribunal eleitoral, depois de encontrar irregularidades nas eleições presidenciais de 20 de outubro.

“O processo estava em desacordo com as boas práticas e os padrões de segurança não foram respeitados”, disse a comissão em comunicado divulgado pelo secretário da OEA, Luis Almagro, em sua conta no Twitter. “Por conta das irregularidades observadas, não é possível garantir a integridade dos dados e dos resultados”.

(Com a Agência Estado)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).