FRANKFURT (Reuters) – O Banco Central Europeu afirmou nesta quinta-feira que continuará a realizar suas compras de títulos emergenciais a um ritmo mais alto do que no início do ano, temendo que qualquer redução posa elevar com força os custos dos empréstimos e sufocar a recuperação.

Emergindo de uma recessão de duplo mergulho devido à pandemia, a economia da zona do euro tem contado com o estímulo sem precedentes do BCE e as autoridades já deixaram claro que preferem errar pelo lado da cautela quando reduzirem o estímulo.

“O Conselho espera que as compras líquidas sobre o PEPP no próximo trimestre continuem a ser realizadas a um ritmo significativamente maior do que durante os primeiros meses do ano”, disse o BCE em comunicado.

O BCE comprou 80 bilhões de euros em dívida por mês segundo seu Programa de Compras Emergenciais da Pandemia neste trimestre, acima dos níveis do começo deste ano mas abaixo do pico do início da crise.

Com a decisão desta quinta-feira, a taxa de depósito do BCE, seu referencial, permanece em -0,5% e o BCE manteve sua orientação de que vai manter ou cortar os juros até que a inflação mostre convergência “robusta” para a meta.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).