O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quarta-feira (22) que a autoridade monetária tem tentado ser transparente sobre as discussões para o limite mínimo para a taxa Selic, atualmente em 2,25% ao ano. Ele garantiu que a instituição não abandonou em nenhum momento a meta de inflação.

“Tivemos um choque grande. Temos que adaptar o horizonte (relevante para a inflação) e temos comunicado isso. Temos que identificar o remédio, e não há constrangimento em utilizar. Precisamos determinar a dose do remédio. Você pode ter um movimento de juros e obter o efeito contrário em termos de condições financeiras”, afirmou, em videoconferência organizada pelo jornal Valor Econômico.

Segundo o presidente do BC, o componente das reformas econômicas segue importante para a política monetária, assim como a evolução das taxa de juros estruturais internacionais. “Também várias mudanças estruturais na parte de captação do sistema financeiro que estão ligadas à taxa de juros”, completou, citando a captação recorde nas cadernetas de poupança.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).