O Banco do Brasil divulgou nesta quinta-feira uma queda no lucro do terceiro trimestre, uma vez que o banco reservou mais 2 bilhões de reais para potenciais perdas com empréstimos decorrentes da crise do coronavírus.

O lucro líquido recorrente, que exclui itens extraordinários, ficou em 3,482 bilhões de reais, 23,3% abaixo do ano anterior, disse o banco.

As provisões totais para perdas com empréstimos foram de 5,508 bilhões de reais, um aumento de 40,5% em relação ao ano anterior, incluindo os 2 bilhões de reais em provisões extraordinárias. Como seus rivais, no entanto, as provisões caíram em relação ao trimestre anterior.

O Banco do Brasil disse que essa provisão extraordinária vai fazer frente a operações de crédito cujos vencimentos foram prorrogados durante a pandemia, principalmente para pequenas empresas e pessoas físicas.

A instituição tem 109,2 bilhões em operações de crédito com prazo estendido, o que representa 17,3% da carteira doméstica do Banco do Brasil.

A rentabilidade do banco ficou estável em 12%, ainda bem abaixo dos níveis pré-pandêmicos.

O crescimento da carteira de crédito manteve-se lento, elevando-se 1,2% a 730,9 bilhões de reais no trimestre e pressionando a margem financeira.

A inadimplência ficou em 2,4%, ou 0,4 ponto percentual menor do que no trimestre anterior.

O recém-nomeado presidente André Brandão discutirá os resultados e perspectivas do Banco do Brasil com jornalistas ainda nesta quinta-feira.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).