O auxílio emergencial foi utilizado, em sua maioria, para pagamento de despesas de primeira necessidade, como a alimentação. Um estudo da fintech Neon mostrou que 77% dos clientes que receberam o benefício tiveram gasto em mercado.

“Os números revelam que o cliente que trouxe o auxílio do governo realmente tende a gastar mais com necessidades básicas. O que reforça a importância do benefício como renda principal para milhões de brasileiros”, explica Tadeu Rocha, Head de Negócios da Neon.

Além de gastos em mercados, houve também despesas com:

  • Bares e restaurantes: 67%
  • Transporte: 58%
  • Saúde: 54%
  • Vestuário: 46%
  • Moradia: 37%
  • Lazer: 34%
  • Cuidados pessoais: 33%

A pesquisa também mostra que após o recebimento do auxílio, os clientes usaram o valor recebido de diversas formas: 87% utilizaram o cartão (débito/crédito), 63% pagaram contas por boleto, 45% recarregaram o celular e 37% utilizaram o PIX.

Entre maio e dezembro, o número de clientes transferindo o dinheiro do auxílio emergencial para conta digital da Neon cresceu 158%.

“A conta digital da Neon pode ser aberta rapidamente pelo celular e facilita a retirada do auxílio emergencial da Caixa Tem. Com a conta aberta, o cliente pode gerar o boleto de depósito e antecipar a transferência do recurso do app da Caixa assim que o auxílio estiver disponível contra os 30 dias para retirada do dinheiro em espécie ou transferência para agências bancárias”, explica Rocha.

Metodologia: O estudo foi realizado pela Neon a partir dos clientes que usufruíram do benefício do auxílio emergencial.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).