A pandemia elevou os preços da maioria dos produtos essenciais à alimentação dos brasileiros. Itens como arroz, feijão, óleo de soja e carne subiram mais de 30%. Mas quais produtos subiram mais?

Levantamento da Horus mostra que o preço médio do quilo de arroz subiu 23,79%. Mas a alta variou de acordo com o Estado. Na Bahia, onde está o maior preço, o pacote de cinco quilos passou de R$ 16,15 para R$ 24,65, uma alta de 52,63% após a pandemia.

Em São Paulo, a alta foi de 12%: o pacote de cinco quilos subiu de R$ 15,85 para R$ 17,85.

A alta é generalizada? Sim. Pesquisa nacional do Dieese mostra que o preço médio do arroz agulhinha registrou alta em 15 das 17 capitais pesquisadas em agosto. As maiores altas ocorreram em Porto Alegre (17,91%), Campo Grande (13,61%) e Goiânia (10,56%).

O que está puxando essa alta? O aumento se deve à retração dos produtores, que aguardam melhores preços para comercializar o cereal e efetivam apenas vendas pontuais.

A indústria, que fornece para o varejo, também culpa os produtores. “Nas últimas semanas, a indústria tem sofrido enorme dificuldade de acesso à matéria-prima, decorrente da restrição de oferta do arroz, que está concentrada em poder de poucos produtores”, disse a Abiarroz (Associação Brasileira da Indústria do Arroz).

“A Abiarroz esclarece que ao perceber a alta descontrolada de preços comunicou ao setor produtivo e às autoridades competentes, com a preocupação de que seja mantido o abastecimento regular do produto até a próxima safra e de que haja uma estabilidade no preço final ao consumidor, especialmente nesse momento de crise pandêmica.”

Vai faltar arroz? A ministra Tereza Cristina (Agricultura) diz que não. “O arroz não vai faltar; agora ele tá alto, mas nós vamos fazer ele baixar. Se Deus quiser vamos ter uma supersafra ano que vem”, afirmou ela.

No vídeo abaixo, o deputado estadual de Minas Cleitinho Azevedo (Cidadania-MG) reclama da alta de preços.  “Se a gente não gritar agora, daqui a pouco vai ter arroz de R$ 40, daqui a pouco vai ter feijão de R$ 30”, diz ele na gravação.

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.