A arrecadação do governo federal fechou 2020 com queda real de 6,91%, a 1,479 trilhão de reais, divulgou a Receita Federal nesta segunda-feira (25), em um desempenho que capta os efeitos negativos da crise econômica em decorrência da pandemia da Covid-19.

Em dezembro, a arrecadação registrou variação positiva de 3,18% em relação ao mesmo mês de 2019, a 159,065 bilhões de reais no quinto mês consecutivo de crescimento real. A alta, contudo, foi menor do que o aumento de 7,31% visto em novembro.

De acordo com a Receita Federal, o resultado da arrecadação no ano passado decorre do comportamento dos principais indicadores econômicos, bastante afetados pela pandemia ao longo do ano. O órgão destacou ainda o crescimento de 58,86% no volume de compensações tributárias no ano, que somaram R$ 62,1 bilhões.

Desonerações

As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 119,418 bilhões em 2020, valor maior do que o de 2019, quando somaram em R$ 96,568 bilhões. Apenas no mês de dezembro, as desonerações totalizaram R$ 11,716 bilhões, também acima registrado em dezembro do ano anterior (R$ 9,516 bilhões).

Um fator que impactou as desonerações em 2020 foi a suspensão da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre operações de crédito durante quase seis meses. O IOF foi responsável por renúncia de R$ 19,7 bilhões no ano passado.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).