BUENOS AIRES (Reuters) – Agricultores argentinos venderam 34,8 milhões de toneladas de soja na temporada de 2020/21, depois que transações de 641.700 toneladas foram registradas em uma semana, informou o Ministério da Agricultura nesta quarta-feira, em relatório com dados atualizado até 17 de novembro.

O ritmo de vendas no acumulado da safra ficou aquém em comparação com a temporada anterior, quando na mesma data haviam sido registradas vendas de 35,5 milhões de toneladas da oleaginosa, segundo informações oficiais.

A colheita de 2020/21 da soja na Argentina encerrou junho com uma produção de 43,1 milhões de toneladas, segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, que estimou a colheita da temporada de 2019/20 em 49 milhões de toneladas.

Em relação à soja de 2021/22, cujo plantio começou no mês passado na Argentina, já foram comercializadas 3,2 milhões de toneladas, segundo dados oficiais. A bolsa estima a colheita de soja da nova safra em 44 milhões de toneladas.

Para o milho de 2020/21, o governo informou que as vendas do cereal foram registradas em um total de 44,7 milhões de toneladas, 4,6 milhões de toneladas a mais que na mesma data da temporada anterior. O milho de 20/21 teve produção final de 50,5 milhões de toneladas, segundo a bolsa.

O país registrou vendas do cereal para a temporada de 2021/22 de 10,7 milhões de toneladas. A semeadura do milho para a nova safra já está em andamento, e a Bolsa de Buenos Aires estima a colheita do grão em um recorde de 55 milhões de toneladas.

Enquanto isso, o trigo 2021/22 teve vendas de 10,6 milhões de toneladas, ante 6,1 milhões vendidas na mesma data no ciclo anterior, disse o governo. O BdeC estimou a produção de trigo 21/22 em um recorde de 19,8 milhões de toneladas. Sua colheita termina em janeiro.

(Reportagem de Agustín Geist)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).