A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) anunciou hoje que as instituições financeiras se comprometeram a adotar a partir de 2021 um conjunto de ações para proteger os clientes idosos. Essa proteção foi adotada levantamento da Febraban indicar que houve um aumento de 60% em tentativas de golpes financeiros contra idosos durante a quarentena.

Que regras são essas que serão adotadas? Entre as medidas que foram anunciadas estão:

  • Não Perturbe: serviço de bloqueio de ligações de telemarketing;
  • Bloqueio de transações: os bancos poderão bloquear movimentações ou transações financeiras suspeitas, atípicas ou recorrentes caso o consumidor se declare em situação de abuso patrimonial;
  • Serviço de alerta: bancos poderão oferecer, mediante contratação, um serviços de alerta de transações e movimentações, com a possibilidade de cadastro do número de telefone do consumidor idoso ou de pessoa de sua confiança;
  • Atendimento prioritário no SAC: quando as demandas não puderem ser solucionadas no primeiro atendimento, as Instituições vão priorizar o tratamento de demandas registradas pelos consumidores idosos no SAC e na Ouvidoria.
  • Treinamento: as instituições vão treinar e capacitar funcionários em temas voltados à proteção e direitos dos consumidores idosos.

Quando as regras entram em vigor? A partir de janeiro de 2021. Já a possibilidade de bloqueio e o serviço de alerta de movimentações ou transações, entrará em vigor 180 dias após a publicação da norma, por demandarem desenvolvimento de sistemas.

Como funciona a autorregulação para o tema? Os bancos que aderirem ao programa se comprometem a seguir as regras são supervisionados e podem sofrer punição em caso de descumprimento.

Que golpes são esses? Entre os exemplos estão as ligações para a casa dos clientes, nas quais o estelionatário diz ser do banco e pede para confirmar algumas informações, como dados pessoais e senhas. Ao fornecer informações pessoais e sigilosas, como a senha, o consumidor expõe sua conta bancária e seu patrimônio aos golpistas.

Há também casos em que o fraudador se apresenta como um “funcionário do banco” e pede para o cliente realizar uma transferência como um teste. Os bancos nunca ligam para clientes para realizar transações.

Durante o período de quarentena, as instituições financeiras chegaram a registrar aumento de mais de 80% nas tentativas de ataques de phishing- que se inicia por meio de recebimento de e-mails que carregam vírus ou links e que direcionam o usuário a sites falsos, que, normalmente, possuem remetentes desconhecidos ou falsos.

O golpe do falso motoboy teve aumento de 65% durante o período de isolamento social. Nele, criminosos entram em contato com as vítimas se fazendo passar pelo banco para comunicar a realização de transações suspeitas com o cartão de crédito do cliente. Usando técnicas de convencimento para obter dados, os golpistas informam que um motoboy será enviado para recolher o cartão supostamente clonado para que sejam feitas outras análises necessárias para o cancelamento das compras irregulares.

Para passar uma imagem de segurança, alerta a Febraban, os criminosos orientam a vítima a cortar o cartão ao meio, para inutilizar a tarja magnética, antes de entregá-lo ao motoboy. No entanto, o chip permanece intacto, o que permite que a quadrilha faça compras com o cartão, ainda que o plástico esteja partido ao meio.

(Com Agência Brasil)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).