Atualizado às 19h02

A cerveja vai ficar mais cara. A Ambev, dona de marcas como Skol, Brahma, Antarctica e Stella Artois, anunciou que vai reajustar os preços dos seus produtos, mas não deu detalhes sobre os percentuais. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o reajuste começa a valer nesta sexta-feira (1) e deve se de 5% a 6%.

A medida provocou apreensão. Para a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o reajuste será repassado para os clientes, uma vez que os estabelecimentos não possuem musculatura financeira para absorver os custos mais altos. “O setor está hiper pressionado por aumento de custos na luz, no aluguel, nos alimentos, no combustível, que afeta o delivery, por exemplo. Não suporta novo aumento sem repassar para o consumidor. É o acreditamos que vai acontecer instantaneamente”, afirma o presidente da Abrasil, Paulo Solmucci.

A Abrasel estima que 37% do setor opera com prejuízo no país. Em São Paulo, este número chega a 50% dos bares e restaurantes.

Contaminação

Para o presidente da Abrasel, o reajuste proposto pela Ambev abre as portas para que as outras cervejarias façam o mesmo. “Há uma referência de preços no mercado ditada pela Ambev. Quando ela aumenta, as concorrentes acompanham a decisão”, afirma

A Ambev justificou o reajuste pela necessidade de compensar os custos crescentes de produção. “A Ambev faz, periodicamente, ajustes nos preços de seus produtos e as mudanças variam de acordo com as regiões, marca, canal de venda e embalagem”, afirmou a empresa, em nota.

Leia também: Sai a cerveja, entra o suco em pó: inflação e consumo fora de casa mudam carrinho de compras

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).