(Reuters) – A administradora de programas de fidelidade e de contas digitais Dotz pediu nesta segunda-feira registro para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), com empresas brasileiras de diferentes setores mantendo planos de captar recursos na bolsa mesmo com a forte volatilidade do mercado diante da percepção de maior risco político.

Criada em maio de 2013, em Belo Horizonte, a Dotz opera programas de recompensas em parceria com emissores de cartão de crédito, supermercados e farmácias. A companhia afirma no prospecto da oferta que tinha no fim de 2020 uma base de 9 milhões de cliente ativos no programa de pontos e 1,9 milhão em seu marketplace, considerando o período de 12 meses.

Em 2020, a Dotz teve receita líquida de 111 milhões de reais, queda de 12,7% ante o ano anterior, recuo atribuído pela companhia a uma “modalidade de contrato específica modificada a partir 2016” e aos efeitos da crise gerada pela Covid-19.

Além disso, devido a investimentos no negócio Pay, a Dotz teve Ebitda ajustado negativo de 7,34 milhões de reais em 2020.

Em fevereiro de 2019, a Dotz comprou a rival Netpoints, que via como única concorrente no mercado de coalizão no varejo. No ano passado, lançou sua plataforma de marketplace, a Loja Dotz e o aplicativo de sua conta digital.

A oferta, que será coordenada por BTG Pactual, Itaú BBA, UBS-BB e Credit Suisse, pretende levantar recursos para a Dotz fazer aquisições de empresas e para desenvolver seus negócios. Além disso, o fundo Ascet I, veículo de investimentos do presidente e fundador Alexandre Chade, também venderá uma fatia no negócio.

(Reportagem de Aluísio Alves)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).