NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE tiveram forte alta e atingiram uma máxima de sete semanas nesta terça-feira, com fundos ampliando posições compradas diante de um cenário de queda nas perspectivas para as safras da União Europeia e do Brasil e de indicadores macroeconômicos positivos.

Os futuros do café arábica subiram quase 2%.

AÇÚCAR

* O contrato maio do açúcar bruto fechou em alta de 0,48 centavo de dólar, ou 2,9%, a 16,77 centavos de dólar por libra-peso, após alcançar máxima de 16,88 centavos, mais alto nível desde 26 de fevereiro.

* Operadores disseram que o mercado segue derivando suporte das perspectivas reduzidas para a safra da União Europeia, na esteira de fortes perdas relacionadas à geada na França.

* Um ambiente macroeconômico positivo para commodities agrícolas também foi citado como fator de impulso ao investimento.

* O tempo seco no centro-sul do Brasil também deve reduzir a produção na região, enquanto os gráficos aparentam dar um tom mais altista ao mercado após a forte performance recente.

* A produção brasileira de açúcar deve cair drasticamente na nova safra devido ao clima mais seco que o normal, disse a trading de commodities Wilmar nesta terça-feira.

* O açúcar branco para agosto avançou 8,10 dólares, ou 1,8%, para 462,10 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O contrato julho do café arábica fechou em alta de 2,55 centavos de dólar, ou 1,9%, a 1,3445 dólar por libra-peso, avançando em direção à máxima de um mês registrada na semana passada, quando tocou a marca de 1,3545 dólar.

* Operadores disseram que o mercado tem sido apoiado pelas expectativas de aperto nas ofertas ao longo dos próximos meses, uma vez que a produção do Brasil deve recuar na temporada 2021/22, um ano de baixa no ciclo bienal do café no país.

* O café robusta para julho avançou 13 dólares, ou 0,9%, para 1.398 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).