A Justiça atendeu a um pedido da Caixa Econômica Federal, e a empresa que administra a Arena Corinthians terá em breve o CNPJ incluído na lista de devedores da Serasa Experian. É mais um capítulo da novela entre o clube e o banco pelo pagamento em dia de uma dívida que supera a casa dos R$ 500 milhões.

O que vai acontecer? Segundo a decisão da Justiça, do dia 27 de agosto, a empresa Arena Itaquera S/A, criada pelo clube para gerenciar o Itaquerão, ficará com o nome sujo.

Na prática, isso representa o mesmo que ocorre na vida das pessoas comuns: dificuldades para obter empréstimos e financiamentos e também para convencer fornecedores a fechar negócio.

Arena Corinthians Itaquerão

Arena Corinthians, estádio conhecido como Itaquerão, durante partida da Copa América de 2019
Crédito: Wander Roberto/CopaAmerica2019

Você pode me dar um contexto? A Caixa emprestou R$ 400 milhões ao Corinthians para a construção do Itaquerão para a Copa do Mundo de 2014. No processo, o banco afirma que o clube não paga as parcelas do financiamento desde março e, por isso, cobra uma multa de cerca de R$ 49 milhões.

Ao todo, entre o que falta a pagar, os juros e a multa, a Caixa estima que o clube deva R$ 536 milhões. Segundo o Corinthians, havia um acordo verbal com a antiga direção do banco.

O reparcelamento, no entanto, não chegou a ser assinado diante da “perspectiva da iminente troca de comando da instituição financeira”. Pedro Guimarães, o atual presidente do banco, está no cargo desde janeiro, nomeado pelo ministro Paulo Guedes. O acordo desejado pelo clube previa parcelas menores entre novembro e fevereiro, meses em que há menos jogos oficiais — e, portanto, a renda decorrente de bilheteria para o clube é menor.

E se o Corinthians não pagar? Ao pedir o empréstimo à Caixa, o Corinthians apresentou alguns ativos como garantia, incluindo uma parte do terreno do Parque São Jorge, a sede do clube em São Paulo. A Caixa pretende promover a execução da dívida, isto é, requerer a posse desses ativos como forma de pagamento.

Segundo o site GloboEsporte.com, há também a previsão de uma garantia financeira, que seria arcada pela Odebrecht, empreiteira que construiu a obra. A empresa, no entanto, está em recuperação judicial, o que significa que suas dívidas estão congeladas.

(Com Estadão Conteúdo)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).