A XP Inc. lançou o primeiro ETF atrelado a um índice acionário da China nesta segunda-feira (21). O ativo será negociado na B3, bolsa de valores brasileira, com o código XINA11 e o objetivo é replicar o índice MSCI China, que acompanha mais de 600 companhias no país asiático. Esse é o quarto ETF internacional que é negociado no Brasil.

A B3 explica que o funcionamento do ETF se assemelha às ações, mas quando o investidor adquire uma cota, indiretamente, passa a deter todos os ativos que compõe a carteira do MSCI China.

Quanto vai custar o XINA11? A unidade do ETF vai custar R$ 10 e terá taxa de administração de 0,30% ao ano e exposição ao dólar. O especialista de fundos da XP, Fabiano Cintra, afirma que o ETF vai permitir acesso inédito aos brasileiros ao mercado acionário chinês. “A China é hoje a 2ª maior economia do mundo e, por isso, deve ser avaliada em uma carteira internacional bem diversificada”, afirma Cintra.

Qual a vantagem deste ETF? Para o diretor de Relacionamento com Clientes e Pessoas Físicas da bolsa brasileira, Felipe Paiva, “diversificação geográfica com exposição em ações asiáticas é o grande diferencial desse produto, que passa a fazer parte do leque de possibilidades disponíveis ao investidor na B3”.

As vantagens do XINA11 são liquidez, diversificação e transparência.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).