Depois de meses fechadas por causa da pandemia de coronavírus, as salas de cinema reabriram as portas no início de outubro. Mesmo os mais cinéfilos, no entanto, estavam – e ainda estão — com o pé atrás de frequentar um local fechado junto a outras pessoas enquanto o vírus ainda está a solta.

Enquanto a bilheteria engatinha para uma recuperação, redes de cinema adotam minuciosos protocolos para garantir a saúde dos clientes, e se esforçam para retomar seu prestígio no entretenimento.

Como está a reabertura dos cinemas?

FIM DE SEMANAPÚBLICO
5 a 8 de novembro188 mil pessoas
29 de outubro a 2 de novembro291 mil pessoas
22 a 25 de outubro119 mil pessoas
15 a 18 de outubro66 mil pessoas
8 a 12 de outubro86 mil pessoas
Dados da ComScore Brazil

O que está em cartaz?

Não fosse a pandemia, chegariam aos cinemas em novembro longas como “Os Eternos”, nova franquia do Universo Compartilhado da Marvel, e “Godzilla vs Kong”, que prometiam mobilizar multidões. Com esses e outros títulos adiados para 2021, a programação dos cinemas oferece ao público poucas opções de filmes, ainda que as salas estejam abertas.

Fora do Brasil, na falta de produções de Hollywood nas salas de cinema abriu espaço para filmes nacionais – que historicamente passam menos tempo em cartaz. Diferente da Alemanha, China, Coreia do Sul e França, a bilheteria brasileira ainda depende financeiramente de longas estrangeiros, como os queridinhos blockbusters estadunidenses.

A fim de retomar o contato com os clientes e movimentar a bilheteria, as principais empresas do mercado audiovisual brasileiro, entre distribuidoras, exibidoras, produtoras e prestadores de serviço, fundaram o movimento “Juntos Pelo Cinema”. “Uma das iniciativas foi a criação do festival ‘De Volta Para o Cinema’, que trouxe para as salas brasileiras reabertas filmes clássicos, longas queridos pelo público e outras atrações”, explica Daniel Campos, diretor de marketing do Cinemark.

Filmes que estrearam sob demanda em sites e plataformas (VOD) também poderão relançados no cinema. “Um caso recente é do ‘SCOOBY! O Filme’, que está em cartaz na Cinemark porque muitas pessoas queriam vê-lo na tela grande”, comenta Campos.

“Harry Potter e a Pedra Filosofal”, uma das produções resgatadas pelo “De Volta Para o Cinema” esteve entre os dez filmes mais assistidos nos cinemas durante cinco finais de semana consecutivos, de 17 de setembro até 18 de outubro. Já “SCOOBY! O Filme!” convenceu 227.518 pessoas a irem aos cinemas desde seu lançamento, em 10 de setembro, com renda acumulada de R$ 3,25 milhões.

Mas tem algum filme novo no cinema?

Sim. Filmes inéditos retomam, aos poucos, seu calendário de estreias. O suspense de Christopher Nolan “Tenet”, por exemplo, está em cartaz nos cinemas do Brasil desde 29 de outubro. Nas últimas semanas também estrearam “Jovens Bruxas – Nova Irmandade”, “Novos Mutantes”, entre outros títulos, como a gravação de um show da banda sul-coreana BTS, sucesso entre os mais jovens.

Quais cuidados os cinemas estão tomando para prevenir a contaminação por coronavírus?

Em São Paulo, as salas reabriram ao público em 10 de outubro, quando a cidade evoluiu para a Fase Verde do Plano São Paulo de Reabertura.

Por hora, os cinemas podem funcionar apenas com lotação de 60% de sua capacidade, segundo protocolo definido pelo governo do Estados. Antes de assistir aos filmes, será necessário medir a temperatura e as salas devem abrir as portas meia hora antes de cada sessão, para evitar filas de espera.

No interior dos cinemas, a distância mínima entre as pessoas deve ser de 1,5 metro, mas grupos de até seis pessoas que tenham comprado ingressos conjuntamente poderão sentar-se lado a lado. O uso de máscaras é necessário para entrar e sair das salas, mas não durante a exibição dos filmes.

Para validar os protocolos de segurança, o Cinemark fechou uma parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein, para que os agentes de saúde estejam sempre vistoriando se os estabelecimentos estão de acordo com a profilaxia exigida.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).