Quando a Singapore Airlines anunciou que os lugares de seu superjumbo A380 que virou restaurante esgotaram em 30 minutos, uma pergunta muito ouvida foi: “Mas quem , em sã consciência, gostaria de fazer isso?”

Muitas pessoas, ao que parece. Para cada pessoa que não gosta de voar, muito menos ir para o aeroporto e embarcar em um avião que jamais decolará para comer comida reaquecida de avião, há outra que gosta e sente falta de viver a experiência de estar em um voo (mesmo sem voar de fato) e está disposta a desembolsar (muito dinheiro) por isto.

A Singapore Airlines vai usar de seus Airbus A380 no aeroporto de Changi, em Singapura, como restaurantes temporários por dois fins de semana. Vai oferecer os pratos de seu menu, duas bebidas alcoólicas de cortesia e outras bebidas gratuitas. Uma refeição na uma suíte de primeira classe custa US$ 472, enquanto os preços são US$ 236 para um assento de classe executiva, US$ 70 para a classe econômica premium e US$ 39 para a econômica.

No final das contas, esse tipo de dinheiro pagaria facilmente uma degustação de oito pratos no Odette, consistentemente considerado como um dos melhores restaurantes do mundo, ou um jantar para dois, mais vinho, no Cut, a churrascaria no hotel Marina Bay Sands que é parte do império do chef Wolfgang Puck.

Mayur Patel é uma dessas pessoas que estava disposta a pagar quase US$ 500 pela refeição que será servida na suíte de 1ª classe. O diretor regional de vendas do provedor de dados de viagens OAG Aviation Worldwide disse que queria experimentar a experiência novamente, depois de ter voado nessa cabine uma única vez,  no trajeto que vai de Sydney a Singapura. Como membro do Solitaire PPS Club, programa de milhagem da Singapore Airlines, por 21 anos, Patel também queria dar seu apoio à companhia porque se sentir ligado à marca.

Aqui estão alguns de seus insights sobre o que atraiu as pessoas a pagar centena de dólares para comer comida de avião em uma aeronave estacionada em um aeroporto.

O que motiva as pessoas a gastar centenas de dólares com isso, quando poderiam ir a um restaurante ou hotel 5 estrelas na cidade?

A experiência gastronômica do A380 foi algo que surpreendeu a muitos. Por que alguém gastaria US$ 39 para a classe econômica ou os US$ 472 para a suíte de primeira classe era incompreensível para alguns. No entanto, há muitos aspectos ao se olhar para isso.

O preço da classe econômica não era tão ruim, considerando que você possa ter tido sua primeira experiência com o A380, e pagou menos de US$ 40 por uma refeição completa, bebidas e entretenimento a bordo.

Alguns diriam que você pode fazer tudo isso em casa, pedindo uma refeição em um delivery e com a Netflix à sua disposição, mas para quem é de Singapura, há um sentimento de orgulho nacional e um aspecto patriótico em apoiar a Singapore Airlines. Nós vemos as manchetes sobre às dificuldades financeiras da empresa.

Para alguns, seria como ir ao cinema e pagar por uma poltrona com mais espaço para as pernas (para aqueles que optam pela economia premium) e um serviço melhor.

Também há aqueles em busca de novidades, que desejam experimentar a classe executiva ou a primeira classe de um avião e que, de outra forma, não seriam capazes de pagar por esse tipo de experiência em um voo regular.

O que a Singapore Airlines ganha com isso?

Além de conseguir novos fluxos de receita em um momento tão difícil da indústria, trata-se de uma oportunidade publicitária para mostrar se principal produto, o A380, aos viajantes.

A classe econômica do A380 e as outras cabines foram reformadas nos últimos anos, por isso o A380 ganhou um ar de produto relativamente novo. Ele permite que pessoas que não poderiam pagar por um voo de longa distância experimentem as novas cabines.

A companhia aérea pode, então, atrair viajantes em potencial com suas ofertas de serviços e produtos assim que os voos voltem ao normal.

Ninguém está esperando que o faturamento seja espetacular, porque os custos para alimentos e bebidas usados  precisam ser levados em consideração. As companhias aéreas normalmente gastam US$ 15 por refeição na classe econômica, além de outros custos relacionados, então o ganho financeiro não é tão significativo. Mas eles conseguem um ganho em termos da publicidade.

Você tem ideia de qual foi a classe que mais fez sucesso?

A classe executiva e as suítes de 1ª classe provaram ser as mais populares para aqueles que podiam pagar, mas a classe econômica premium recebeu o mesmo nível de atenção devido ao preço.

Uma curiosidade: Patel não conseguiu reservar sua suíte de 1ª classe porque eles se esgotaram rapidamente na data em que ele poderia participar da experiência.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.