A chegada de uma vacina contra o coronavírus deixou a indústria de viagens dos Estados Unidos pronta para uma retomada da demanda após um ano historicamente terrível. Após meses de grandes descontos – com hotéis oferecendo regalias luxuosas e companhias aéreas cobrando tarifas de US$ 21 de Nova York à Flórida – os preços devem cobrir pelo menos parte das perdas.

Os provedores de viagens reduziram a capacidade, portanto, quaisquer ganhos nas reservas levarão ao aumento das tarifas. E, à medida que as vacinas comecem a fazer efeito, poderão desencadear uma torrente de demanda reprimida de férias depois de meses de confinamento. Isso está levando ao otimismo dentro do setor para uma recuperação na primavera e no verão no hemisfério norte, mesmo com as taxas continuando baixas e uma recuperação nas viagens de negócios ainda muito longe.

“Ninguém está se preparando para abrir uma garrafa de champanhe ainda”, disse o consultor de viagens Henry Harteveldt sobre companhias aéreas e grupos hoteleiros que ele entrevistou. “Mas existe esperança, o verão de 2021 chegará e certamente não será apenas muito mais forte do que este ano, mas 50% ou acima de onde estávamos em 2019.”

Alguns viajantes abastados já começaram a fazer reservas para férias extravagantes, disse Jack Ezon, sócio-gerente da Embark Beyond, uma agência de viagens que atende aos super-ricos. Os clientes inundaram a empresa com pedidos de grandes festas na Europa e no Caribe, com alguns orçamentos chegando a US$ 1 milhão.

Embora possa ser tarde demais para reservar uma suíte luxuosa, digamos, na Costa Amalfitana da Itália, os preços de outros tipos de viagens ainda não refletiram um aumento potencial na demanda.

A pandemia fez com que os turistas em potencial esperassem muito mais perto de suas datas de viagem antes de reservar passagens aéreas ou hotéis, dando a essas empresas menos visibilidade sobre sua capacidade de aumentar as tarifas. Qualquer recuperação na demanda terá de ser sustentada antes que as companhias aéreas considerem o aumento dos preços, disse Lacey Alicie, diretora de análise de dados da Ailevon Pacific Aviation Consulting e ex-executiva de receita da American Airlines.

Existem outros motivos pelos quais uma recuperação pode não ser rápida. A intensidade do colapso deste ano foi sem precedentes e os riscos abundam, desde gargalos na distribuição de vacinas até mutações do vírus. E qualquer recuperação só virá depois de um inverno brutal, enquanto o Covid-19 continua a dilacerar o país. O início de 2021 trará “meses realmente difíceis”, disse recentemente o CEO da Southwest Airlines, Gary Kelly.

“Esperamos que o próximo verão seja muito melhor do que este ano, mas não normal,”, disse Andrew Nocella, diretor comercial da United Airlines, em entrevista. “Achamos que 2022 será provavelmente o melhor ano.”

O projeto de lei de alívio de US$ 900 bilhões aprovado pelo Congresso americano em 21 de dezembro deve fornecer novos fundos para programas de empréstimo que ajudaram os proprietários de hotéis a se manterem, mas a indústria continua em situação precária. A STR, empresa de dados de hospedagem, prevê que as tarifas permanecerão abaixo dos níveis de 2019 até algum momento em 2023, com os mercados urbanos de Nova York a San Francisco demorando mais para se recuperar.

“O proprietários estão lutando e focados em conseguir dinheiro”, disse Michael Deitemeyer, CEO da Aimbridge Hospitality, a maior administradora terceirizada de hotéis do mundo.

Ainda assim, as vacinas estão oferecendo esperança de que os americanos vão redescobrir seu desejo de viajar e se livrar das limitações de conversas por vídeo e chamadas telefônicas. No dia em que a vacina da Pfizer foi aprovada para uso nos EUA, reservas de hotel saltaram ao maior número diário desde o início da pandemia em março, de acordo com o RateGain, que possibilita reservas para grandes hotéis e provedores de informações de viagens online.

A United previu em 11 de dezembro que as reservas do terceiro trimestre seriam apenas 40% abaixo dos níveis de 2019 em comparação com 70% agora. A Delta Air Lines vê “um nível de otimismo” com as vacinas, disse Joe Esposito, vice-presidente de planejamento de rede.

“Seis meses, até três meses atrás, não sabíamos onde estava o fim”, disse Esposito. “Agora podemos ver pelo menos que na primavera e no verão haverá uma demanda reprimida de pessoas para viajar e sair porque todo mundo perdeu um ano.”

Lazer lidera

Embora seja provável que em 2021 as vacinas estejam disponíveis para todos os adolescentes e adultos nos Estados Unidos, as viagens podem aumentar mais cedo, uma vez que mais idosos vulneráveis sejam vacinados. Com pais ou avós idosos vacinados, parentes mais jovens podem decidir que é seguro visitá-los, mesmo que não tenham sido vacinados, disse Savanthi Syth, analista de companhias aéreas da Raymond James Financial.

A recuperação será impulsionada por viajantes a lazer, que geralmente pagam taxas mais baixas do que os viajantes corporativos ou frequentadores de conferências. Mas as companhias aéreas, em particular, tornaram-se empresas mais enxutas, com as seis maiores operadoras dos Estados Unidos eliminando quase 84.000 empregos desde janeiro. Os cortes significam menos voos – e tarifas que provavelmente serão mais altas do que em 2020, conforme os turistas gradualmente voltem aos aeroportos.

A história é semelhante para as empresas de cruzeiros, a maioria das quais planeja retomar as operações em março, mas com a ocupação caindo até 50% em alguns itinerários. A Associação Internacional de Linhas de Cruzeiro disse que a pandemia custou à indústria quase 164.000 empregos “diretos e indiretos” nos Estados Unidos e US$ 8,6 bilhões em salários perdidos.

As empresas de cruzeiros estão planejando um retorno escalonado aos mares. A Carnival, a maior empresa de cruzeiros do mundo, está retirando 18 navios de sua frota, reduzindo permanentemente a capacidade em 12%.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).