A Indonésia pretende voltar a receber turistas estrangeiros nas ilhas turísticas de Bali, Bintan e Batam até o fim de julho, com um plano para acelerar a vacinação nessas áreas para controlar a propagação do coronavírus.

O governo está em negociações com Cingapura, China, Coreia do Sul, Índia, Países Baixos e Emirados Árabes Unidos para possíveis bolhas de viagens que permitiriam aos cidadãos desses países visitarem as chamadas “zonas verdes” da Indonésia ou lugares que reduziram os casos de Covid-19 e vacinaram uma parte significativa da população local, disse o ministro do Turismo e Economia Criativa, Sandiaga Uno, em entrevista na sexta-feira.

Ucrânia e Polônia também enviaram pedidos à Indonésia, garantindo um determinado número de turistas que poderiam viajar para o país do Sudeste Asiático em voos charter, disse Uno. Isso relaxaria uma restrição imposta pelo governo desde março de 2020, que proibiu a maioria dos estrangeiros de entrar ou transitar pela Indonésia durante a pandemia.

Além da Indonésia, Tailândia e Hong Kong também estudam a possibilidade de permitir viagens limitadas ao exterior para apoiar o setor de turismo em crise. Mas, assim como seus vizinhos, a imunização mais lenta do que a esperada e receio de aumento dos casos de Covid-19 atrasam os planos.

Avanço da vacinação

O plano da Indonésia será focado na oferta de vacinas, que deve ser limitada neste mês devido às restrições contra exportações de países produtores. Atualmente, as vacinas são priorizadas para idosos e trabalhadores da linha de frente em epicentros da Covid-19, como Jacarta, mas uma nova diretriz do presidente Joko Widodo pretende incluir Bali na lista, disse Uno.

“Já temos cerca de 60 mil a 70 mil profissionais para vacinação prontos em Bali. Assim que tivermos suprimentos, o ministro da Saúde disse que podemos concluir a tarefa em dois a três meses, o que nos levaria até meados ou fim de julho”, para a reabertura, disse Uno, que assumiu o cargo em dezembro. Pelo menos 2 milhões de residentes teriam que ser vacinados para o programa ser lançado, disse.

Batam e Bintan, parte das ilhas Riau ao sul de Cingapura, esperavam começar a receber viajantes da cidade-estado em 21 de abril, mas esse prazo provavelmente será adiado porque as discussões sobre os protocolos de saúde continuam, disse Uno. O canal de viagens deve ser incluído na agenda de uma próxima reunião entre Widodo e o primeiro-ministro de Cingapura, Lee Hsien Loong, acrescentou.

Outros pontos turísticos considerados para o programa da bolha de viagens incluem Yogyakarta, Ilha Belitung e Lago Toba em Sumatra, Templo Borobudur, em Java Central, a cidade pesqueira de Labuan Bajo no leste da Indonésia e Likupang, em Sulawesi, que atende turistas chineses. Qualquer decisão de reabrir mais áreas será baseada em dados sobre o controle da Covid, disse Uno.

A maior economia do Sudeste Asiático pretende imunizar até 3 milhões de pessoas em Bali e cerca de 70 mil em Batam e Bintan para obter imunidade de rebanho nas ilhas antes de serem reabertas aos visitantes estrangeiros.

A Indonésia já vacinou mais de 10,6 milhões de pessoas até o momento, o maior número no Sudeste Asiático. Isso ajudou a reduzir pela metade o número de novos casos para uma média de cerca de 5 mil por dia em abril, em relação a quase 11 mil no início do ano.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).