A estreia pouco ortodoxa de Mulan nos Estados Unidos pela plataforma de streaming Disney+ alavancou em 68% os downloads do aplicativo desde a última sexta-feira, 4, segundo levantamento da Sensor Tower Inc.

Mulan segue o filão de adaptações em live action de animações de sucesso da Disney. Para cobrir o vertiginoso orçamento de US$ 200 milhões, o estúdio contava com uma bilheteria tão gorda quanto A Bela e a Fera e Aladdin.

A pandemia de coronavírus, no entanto, minou o lançamento do longa nos cinemas, e levou a Disney a tentar um caminho diferente, lançando-o diretamente em sua plataforma de streaming. Para ver o filme, os assinantes Disney+ — que chega ao Brasil em novembro deste ano — precisam pagar US$ 30 para assistir Mulan, além dos de US$ 7 mensais. A abordagem rendeu um lucro de 193% ao aplicativo, comparado a semana anterior.

Os números refletem apenas downloads das lojas online da Apple Inc. e Google e não de outras maneiras pelas quais os clientes podem se inscrever no Disney+ e comprar Mulan, como por meio de dispositivos da Roku Inc. e Amazon.com

Pode demorar para sabermos como se saiu a empreitada da Disney pelas plataformas de streaming, mas por enquanto, ela parece bastante positiva.

(com Bloomberg)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.