As proibições de apresentações ao vivo deixaram muitos músicos britânicos no limiar da pobreza, o que incentivou uma campanha para que eles obtivessem uma parcela maior dos lucros do streaming de suas músicas online.

O que aconteceu? “Estou sendo contatado por muitos artistas jovens que têm milhões de transmissões de 200 mil ouvintes mensais e não ganham um salário mínimo”, disse à Reuters o músico Tom Gray, da banda indie inglesa Gomez.

Gray lançou a campanha Broken Record para pressionar a indústria a fazer mais pelos músicos.

“Se o coronavírus continuar assim durante todo o verão, realmente parecerá que minha vida na música foi dizimada”, disse Theo Bard, compositor que esperava promover um álbum que seria lançado no verão do hemisfério norte.

Como funciona o modelo atual de remuneração? Mesmo com a banda Gomez acumulando milhões de reproduções no Spotify, isso representa “alguns centavos” de receita para Gray.

Isso ocorre porque o dinheiro pago pelos consumidores pelas principais plataformas de streaming de música entra em um pote central que é distribuído aos artistas de acordo com a participação de mercado.

Então, se alguém pagar mensalmente a assinatura do Spotify e ouvir apenas músicas da banda Gomez, seu dinheiro ainda chegará aos principais artistas do mundo e suas gravadoras.

E qual tem sido a avaliação das empresas de streaming? Elas dizem estar fazendo o possível para ajudar os artistas durante a pandemia. O Spotify comprometeu-se a equiparar doações para instituições de caridade até um total de US$ 10 milhões e a Apple Music lançou um fundo de US$ 50 milhões para gravadoras e distribuidores independentes.

Apesar de uma provável queda de 25% na receita mundial de música neste ano por causa da pandemia, o setor deve dobrar de valor até 2030, mostrou uma pesquisa do Goldman Sachs publicada este mês. Mas muitos artistas têm dúvidas sobre seu futuro.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).