Os serviços de streaming já colocaram muito dinheiro para garantir os direitos de séries mais antigas, de shows inéditos de estrelas da comédia stand-up e contratos com os principais produtores. Agora eles colocam na mira os blockbusters dos estúdios, como a franquia “Velozes & Furiosos” e “Homem-Aranha”.

A Universal Pictures e a Sony Pictures começaram a negociar com os serviços de streaming e redes de TV a cabo sua próxima rodada de filmes para consumo doméstico, começando com filmes programados para serem lançados em 2022. A Paramount Pictures, da ViacomCBS, também tem títulos para vender, mas está adotando uma postura de esperar o que o mercado terá a oferecer aos dois primeiros antes de começar a comercializar seu catálogo.

Os negócios podem gerar até US$ 250 milhões por estúdio por ano – e, em alguns casos, mais – de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Amazon.com Inc., Netflix Inc. e Hulu são os grandes interessados, além de HBO e Starz.

É essa meia dúzia de serviços que está na disputa pelos direitos, o que permitiria às empresas de streaming exibir os filmes cerca de nove meses após os filmes terem sido exibidos nos cinemas. As plataformas vencedoras podem ter os direitos exclusivos por 18 meses e, em seguida, recuperá-los por uma segunda janela de tempo, vários anos depois. Mas as empresas estão discutindo muitas opções, especialmente porque os maiores gigantes da mídia agora têm seus próprios serviços de streaming para alimentar.

Outra dificuldade para essas negociações: alguns serviços de streaming questionaram se os estúdios estariam interessados ​​em produzir filmes originais apenas para eles, disse uma das pessoas.

É um novo sinal de como o streaming está mudando a forma como Hollywood opera, com serviços online abocanhando mais produtos de alta qualidade da indústria – em vez de se contentar com reprises e filmes B.

“A maneira como os compradores e vendedores pensarão sobre isso mudou completamente.”

Atualmente, a HBO, da AT&T Inc. tem os direitos exclusivos para novos filmes da Universal, uma coleção que inclui as últimas produções das franquias “Jurassic World” e “Velozes & Furiosos”. A Starz, que é propriedade da Lions Gate Entertainment Corp., detém os direitos exclusivos dos filmes da Sony, incluindo as últimas sequências de “Jumanji” e “Homem-Aranha”.

Tanto a HBO quanto a Starz estão tentando renovar seus acordos atuais, que devem expirar no final do próximo ano. Mas eles estão enfrentando a concorrência de serviços de streaming com muitos recursos – Netflix, Amazon e Hulu – e estão negociando com estúdios de empresas que também têm serviços de streaming.

Embora a importância da programação original continue a crescer para serviços de streaming e redes de TV paga, os filmes de grande orçamento recém-lançados nos cinemas continuam a ser um grande atrativo para o entretenimento doméstico. O modo como a atual rodada de negociações se desenrola pode sinalizar uma mudança fundamental em quem consegue os filmes mais novos para assistir em casa.

“Está potencialmente passando por grandes mudanças agora”, disse Tim Nollen, analista do Macquarie Bank.

Os serviços de streaming estão lutando para garantir o conteúdo mais maratonável, especialmente porque os problemas de produção estimulados pelo coronavírus atrasam a chegada de novos filmes e programas. A Tubi, da Fox Corp., uma plataforma gratuita suportada por anúncios, anunciou nesta terça-feira (1º) que adquiriu todos os quatro filmes “Jogos Vorazes” para streaming.

A Netflix foi o primeiro serviço de streaming a conseguir filmes de um grande estúdio quando obteve os direitos dos títulos da Disney lançados de 2016 a 2018, incluindo “Moana”, “Vingadores: Guerra Infinita” e “Os Incríveis 2”. A Disney acabou recusando-se a renovar o acordo, preferindo alimentar seu próprio serviço de streaming recém-criado. Os filmes da Disney agora aparecem no Disney +.

A Netflix ainda tem os direitos dos filmes da Illumination, o estúdio de animação ligado à Universal por trás de “Meu Malvado Favorito”, bem como as produções de animação da Sony. Tanto a Universal quanto a Sony terão que decidir se continuam a licenciar seus filmes de animação separadamente ou se agrupam tudo.

De qualquer forma, o influxo de novos licitantes provavelmente produzirá uma grande sorte inesperada para a Sony Corp., Comcast Corp. e outros proprietários de estúdios de cinema.

Mas uma empresa como a Comcast terá que decidir se os negócios se enquadram em sua estratégia. Ela é dona da Universal e recentemente lançou seu próprio serviço de streaming, o Peacock. Ele mantém seus títulos populares para si – ou os vende para serviços rivais? A Universal também está planejando alugar seus novos filmes em uma base de pay-per-view poucas semanas após eles saírem dos cinemas, o que pode afetar o valor final desses filmes.

De repente, é um cálculo muito diferente, disse Nollen. “A maneira como os compradores e vendedores pensarão sobre isso mudou completamente.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.