Poucas cidades do mundo têm uma história recente tão marcada por turbulências como Berlim: só no século 20, a capital alemã presenciou a ascensão do nazismo, os horrores da Segunda Guerra Mundial, a divisão causada pelo muro e as tensões de ser o epicentro da Guerra Fria.

Porém, apesar de tantas turbulências, Berlim não é, nos dias de hoje, uma velha metrópole cansada.

Muito pelo contrário: a cidade é, atualmente, um dos lugares mais vitais e criativos da Europa, com um cenário urbano que se renova constantemente e com atrativos turísticos que surpreendem com sua originalidade e capacidade de entreter viajantes do mundo inteiro.

A seguir, conheça uma atração imperdível e três inusitadas em Berlim.

Atração imperdível: Reichstag

O Reichstag, edifício do Parlamento alemão, com sua iluminação noturna
Crédito: Traveller Martin/Shutterstock

Berlim é uma cidade com diversos atrativos ao ar livre, mas, ao visitar a capital germânica, não deixe de passar uma ou duas horas enfurnado no Reichstag, o edifício do Parlamento alemão.

Turistas podem entrar em parte deste complexo arquitetônico histórico e, durante o passeio, caminhar por sua moderna cúpula, projetada pelo célebre arquiteto britânico Norman Foster e com uma estrutura de aço, vidro e espelhos que envolve o visitante em um cenário surreal.

É um lugar que rende grandes fotos e, de lá de cima, o público ganha uma visão privilegiada de Berlim.

E as atrações não param por aí: no local, há também tours que levam os turistas para ver, ao vivo, uma sessão plenária do Parlamento alemão (mas, para entender o falatório dos políticos, é preciso dominar o idioma nativo).

Depois do passeio, faça uma caminhada pelo extenso gramado que existe na frente do Reichstag, de onde se admira o edifício de um ângulo privilegiado.

Teufelsberg: centro de espionagem dos EUA

As cúpulas da antiga instalação de Teufelsberg, que foi um centro de espionagem dos EUA durante a Guerra Fria
Crédito: Olli Foolish/Shutterstock

Teufelsberg (palavra que, traduzida do alemão, quer dizer “montanha do diabo”) é um dos mais curiosos e fascinantes resquícios da Guerra Fria em Berlim.

Trata-se de uma colina no extremo oeste de Berlim Ocidental que, durante a segunda metade do século 20, serviu como centro de espionagem controlado pela NSA, a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos.

De lá, os americanos trabalhavam para se infiltrar nos sistemas de comunicação militar da Alemanha Oriental.

O local , hoje, lembra o cenário de um filme de ficção científica pós-apocalíptico, com um conjunto de cúpulas que parecem uma base abandonada em Marte pela Nasa.

E a boa notícia é: Teufelsberg é aberto a visitas turísticas.

Nos tours, os participantes exploram os interiores futuristas das edificações e curtem visões panorâmicas da cidade de Berlim: o lugar fica a aproximadamente 115 metros de altura.

Tempelhofer Feld: o aeroporto que virou um parque

Frequentadores aproveitam dia de verão no Tempelhofer Feld, antigo aeroporto de Berlim que foi transformado em parque em 2008
Crédito: Hano Hiki/Shutterstock

O Tempelhofer Feld é, sem dúvida, uma das áreas públicas mais originais de Berlim.

O local é um parque que ocupa o terreno do antigo aeroporto de Tempelhof, desativado em 2008.

Na área, que tem mais de 380 hectares, o público se diverte nos dias de hoje fazendo piqueniques sobre extenso gramados, andando de patins, skate ou bicicleta, empinando pipas e, logicamente, caminhando na antiga (e gigantesca) pista de pousos e decolagens.

O Tempelhofer Feld também possui um enorme espaço para o público fazer churrasco e lugares onde é permitido passear com cachorros.

Ótima opção de lazer em dias de clima agradável na capital alemã.

Checkpoint Charlie: a antiga passagem do Muro

O Checkpoint Charlie funcionou como ponto fronteiriço durante os anos em que Berlim se manteve dividida pelo muro
Crédito: Shutterstock

Esta é uma atração bem famosa da capital alemã, mas que continua sendo extremamente inusitada.

Localizado na esquina das ruas Friedrichstraße and Zimmerstraße, o Checkpoint Charlie funcionou, na segunda metade do século 20, como um posto fronteiriço entre as partes ocidental e oriental de Berlim: era por lá que passavam as pessoas que queriam transitar entre um lado e outro do muro que dividia a cidade (e a Alemanha) durante a Guerra Fria.

Hoje, neste mesmo ponto, existe uma réplica da cabine onde ficavam os guardas que controlavam o ir e vir dos cidadãos alemães e turistas naquela época. Tirar uma foto neste local histórico é uma atividade bem popular entre os forasteiros.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.