O Airbnb solicitou aos anfitriões em regiões da China afetadas pelo coronavírus que ajudassem hóspedes com possíveis mudanças nas reservas, mas sem alertar clientes sobre a doença.

Centenas de imóveis permanecem disponíveis por meio da plataforma de reservas na cidade de Wuhan, na província central de Hubei, principal foco do vírus que já matou mais de 200 pessoas.

Em uma mensagem, o Airbnb aconselhou anfitriões da região a prestarem muita atenção à evolução da epidemia e serem prestativos se o itinerário ou planos de um hóspede mudassem repentinamente.

“O Airbnb lançou uma política especial de cancelamento para reservas de acomodação em Wuhan”, disse a mensagem em chinês, acrescentando que os anfitriões permaneçam em contato com os clientes. Por fim, o Airbnb deixou a cargo de cada anfitrião a decisão de aceitar ou não reservas.

Mulher caminha pelas ruas vazias da cidade de Wuhan, foco do coronavírus
Crédito: Getty Images

Cancelamento sem multa

“Ativamos nossa política de circunstâncias extenuantes para oferecer aos anfitriões e hóspedes afetados a opção de cancelamento de reservas sem cobranças”, disse um porta-voz da Airbnb em comunicado. “Estaremos continuamente avaliando e atualizando esta política.”

Como outras empresas de serviços on-line, o Airbnb tenta lidar com a crise criada por um patógeno cuja propagação não dá sinais de recuo. A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou o surto do coronavírus emergência de saúde pública global, um passo que permitirá às autoridades de saúde pública ajudarem países com sistemas de saúde com menos infraestrutura a tentar impedir a propagação do vírus.

Centenas de propriedades em Wuhan estavam disponíveis no Airbnb já na noite de 30 de janeiro, com descontos de até 15% oferecidos como promoção do Ano Novo Lunar.

Um repórter da Bloomberg News conseguiu concluir com êxito uma reserva, com pagamento efetuado com cartão de crédito do Reino Unido, sem ser avisado no aplicativo do Airbnb ou em e-mails de confirmação sobre os alertas de saúde e viagem.

Em uma mensagem, o anfitrião disse que continuava a aceitar reservas para ajudar pessoas que não podiam retornar à cidade natal a encontrarem um lugar para ficar. O processo é semelhante para hotéis com sites como Booking.com. Uma busca de acomodação em Wuhan no Booking.com usando um computador no Reino Unido produz uma ampla gama de opções de hotéis. Mas havia confusão sobre se eles estavam funcionando.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).