Quando se trata de ganhar dinheiro, nada está fora dos limites para companhias aéreas mergulhadas em sua pior crise de todos os tempos. Entre legumes frescos, amendoins e pijamas, operadoras vendem quase de tudo para sobreviver à pandemia.

Mesmo companhias aéreas que receberam resgates de governos e reduziram custos estão em busca de novos fluxos de receita em meio à queima de caixa, com frotas em grande parte aterradas e passageiros em casa. A recuperação deve levar anos e custar outros bilhões de dólares para as aéreas.

Sobrevoar a Antártica

Com a frota internacional parada até pelo menos meados de 2021, a australiana Qantas Airways está alugando um de seus Dreamliners da Boeing para passeios turísticos pela calota polar do sul.

A Antarctica Fights está fretando o avião e a tripulação da Qantas para sete viagens entre novembro e fevereiro. Os voos duram entre 12 e 14 horas, e um assento na classe executiva com serviço completo de bordo custa 7,999 dólares australianos (US$ 5,850).

Pijamas e amêndoas

A Qantas também vendeu itens normalmente distribuídos a passageiros premium, incluindo 10 mil conjuntos de pijamas que a empresa disse que se esgotaram em questão de horas. Os pacotes de amenidades de 25 dólares australianos, geralmente oferecidos gratuitamente para passageiros nos assentos da frente, estavam disponíveis online e incluíam creme para as mãos, saquinhos de chá, biscoitos de chocolate e amêndoas defumadas, entre outras guloseimas dos voos.

A Qantas também pode salvar algo de seus Boeings 747, que foram desativados antes do prazo devido à crise. Um porta-voz disse que alguns dos interiores da cabine, como mesas da primeira classe, podem ser vendidos como recordação.

Refeições a bordo, em casa

A Air North, companhia aérea fundada há 43 anos que conecta o remoto Yukon do Canadá com centros como Vancouver, diversificou o negócio com refeições entregues em casa. As ofertas do cardápio incluem empada de carne por 9 dólares canadenses (US$ 6,88) e uma seleção de cheesecakes por 13,99 dólares canadenses.

Os clientes podem encomendar até 20 das refeições pré-cozidas e congeladas de cada vez, para serem entregues por um motorista no próximo dia útil. As refeições estão disponíveis apenas em bairros da cidade de Whitehorse, no noroeste, e a taxa de entrega é de 10 dólares canadenses.

Já a Thai Airways abriu um restaurante equipado com assentos e parafernália de avião em sua sede em Bangkok.

Voos para lugar nenhum

A japonesa ANA Holdings vendeu passagens para um voo charter para lugar nenhum. Cerca de 300 passageiros pagaram pela chamada experiência de resort havaiano em um Airbus A380, que normalmente opera a rota Tóquio-Honolulu. Os passageiros foram escolhidos por sorteio.

A tripulação usou máscaras e camisas havaianas e serviu coquetéis durante a viagem de 90 minutos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.