A pandemia afetou vários hábitos do consumidor brasileiro. Um deles é a busca por alimentos saudáveis. Dados da Nielsen mostram que os itens saudáveis puxaram a venda da cesta de alimentos em 2020.

A categoria de saudáveis subiu 11% em relação a 2019. Já os básicos avançaram apenas 2,6% na mesma comparação.

Para Bruno Achkar, coordenador de atendimento ao varejo da Nielsen, esse movimento é reflexo da chamada indulgência permitida: o consumidor até se permite comprar produtos mais caros, desde que tenham o apelo de saudabilidade.

Essa mudança de comportamento também afeta a alimentação: 53% estão mudando as refeições para reduzir o consumo de carnes.

Pesquisa da Kantar mostra que o consumidor prioriza alimentos naturais e com menor teor de gordura. Veja:

  • Naturais: 79%
  • Menor teor de gordura: 75%
  • Menor teor de açúcar: 70%
  • Produtos sem aditivos: 69%

Preço é fator limitante

A busca por alimentos saudáveis esbarra no fator preço. Pesquisa da Kantar mostra que 35% dos consumidores não compram alimentos saudáveis porque consideram muito caros. Por isso, a presença dessa categoria é de 22% na cesta de compras da classe AB. Já na cesta da classe CDE, esse percentual cai para 13%.

Hábitos saudáveis

Outro levantamento da Nielsen mostrou que 1/3 da população já adota hábitos saudáveis. Dentro desse grupo, 71% estão mudando os hábitos de consumo por conta de preocupações com o ambiente.  Exemplo disso é que 79% não compram produtos de empresas de fazem testes com animais.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).