Uma terceira onda de coronavírus, alimentada pela altamente contagiosa variante delta, está atingindo dois dos destinos turísticos mais populares do México em costas opostas, Los Cabos no Pacífico e Cancún no Caribe.

Em Cancún, os casos chegaram ao ponto em que o hotel Hard Rock reservou dois andares para hóspedes com sintomas. Alguns hotéis dizem que oferecem descontos para aqueles em quarentena até que eles não sejam mais contagiosos.

Na Baja California Sur, onde Los Cabos está localizado, as autoridades estão novamente correndo para adicionar leitos aos hospitais sobrecarregados, que alcançaram 75% da capacidade na semana passada. Praias na cidade de La Paz foram fechadas, embora a mídia local mostre que muitos ignoraram a ordem.

Como o México não limitou quem pode voar durante a pandemia, turistas domésticos e internacionais se aglomeraram nas zonas de resorts. Em junho, 557.400 passageiros pousaram em Los Cabos, um aumento de 15% em relação a junho de 2019. Cancún recebeu pouco mais de 2 milhões, um pouco abaixo dos níveis pré-pandêmicos, mas muito mais do que os 175.000 visitantes do ano passado.

“A variante delta tem uma forte presença na península de Yucatán, particularmente em Quintana Roo e na Baja California Sur, onde cerca de 80% dos novos testes agora são delta”, disse Alejandro Macias, que supervisionou a epidemia de H1N1 no México em 2009.

Como grande parte da América Latina, o México foi atacado pela covid-19. Uma segunda onda devastadora em janeiro forçou paramédicos a dirigir por horas em busca de leitos hospitalares e tanques de oxigênio. Até mesmo o governo admite que as mortes são muito maiores do que o número oficial, com uma estimativa de 540 mil.

Turistas passam perrengues

Apesar das promessas de cuidados especiais para quem contrair o vírus nas férias, alguns contam uma história diferente. Lindy Ray, de Durant, Oklahoma, viajou para Cancún no início de junho para celebrar sua lua de mel com o marido Trey. “Estávamos muito animados para passar algum tempo sozinhos na praia”, disse ela em uma mensagem.

Tudo foi como prometido e eles se divertiram. Mas eles começaram a se sentir mal quando chegou a hora de fazer o teste obrigatório de covid-19 para voltar aos EUA. O resultado foi positivo.

Eles foram escoltados de volta ao quarto, onde tiveram que ficar mais uma semana e concordaram em não sair. O hotel informou que iria descontar a tarifa, mas cobrou quase o valor total da tarifa.

“Só podíamos pedir serviço de quarto, havia apenas 5 a 6 itens para escolher”, disse Ray. “Pedimos remédios várias vezes e trouxeram três das seis coisas que pedimos. Eles não limparam a sala depois que o teste foi positivo. Ficamos sem papel higiênico por alguns dias. ”

Capital deve voltar à zona de restrição laranja

O que está acontecendo na costa se reflete na Cidade do México, onde a ministra da Saúde, Oliva Lopez, disse que a variante delta agora é predominante. As mortes ainda são relativamente baixas, já que cerca de 69% da população adulta da cidade recebeu pelo menos uma vacina, disse ela na televisão. Os hospitais estão se enchendo – a ocupação subiu de 7% para 28% em apenas um mês, com a ocupação específica da covid-19 agora em 63%.

Na sexta-feira, a cidade anunciou que, devido ao aumento, na próxima semana voltará ao status laranja em seu código de cores covid, reduzindo as atividades permitidas.

A capital administrou mais vacinas como porcentagem da população do que qualquer outra área, exceto os estados fronteiriços de Baja California e Chihuahua, onde uma campanha para reabrir a fronteira com os EUA levou a uma grande campanha de vacinação.

País descarta novos lockdowns

Em todo o México, apenas cerca de 31% receberam pelo menos uma dose, de acordo com o rastreador da Bloomberg. Em junho, quando um pico foi detectado, o czar da covid do México, Hugo Lopez Gatell, disse que o governo federal enviaria mais vacinas para Baja Sur e Quintana Roo. Até agora, cerca de 65% dos adultos em Quintana Roo e 50% em Cancún receberam pelo menos uma dose, de acordo com dados do governo.

Na quinta-feira, o México adicionou 16.244 novos infectados, marcando o terceiro dia consecutivo que os casos viram o maior aumento diário desde janeiro. As mortes aumentaram em 419, também a maior alta em quase dois meses.

Não há planos para novos lockdowns, disse o czar da Covid Lopez Gatell durante a coletiva de imprensa diária do presidente Andres Manuel Lopez Obrador na terça-feira. “As pessoas estão cansadas depois de tantos meses de pandemia”, disse ele, acrescentando que o governo está preparado para adicionar leitos quando necessário. “Não podemos pedir às pessoas que reduzam a mobilidade como fizemos no início.

Apesar do aumento das infecções em Cancún, 270 hotéis lá obtiveram isenção do limite de 50% de ocupação, o que permite operar a 70% da capacidade, de acordo com Roberto Cintron, chefe da associação hoteleira da região.

A economia de Quintana Roo depende quase inteiramente do turismo, então os hotéis implementaram protocolos sanitários rígidos. “É importante destacar que as infecções estão ocorrendo entre os jovens locais”, disse ele. “Temos leitos hospitalares suficientes para eles, se necessário. Mas isso não está acontecendo entre os turistas”, minimizou.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).