A volta ao trabalho presencial se transformou em uma grande interrogação para a maioria das empresas. Pesquisa realizada pela Mercer e Mercer Marsh Benefícios mostra que 43% das entrevistadas não tem uma data exata para retomada do trabalho presencial.

“A data de volta se transformou em um seriado, com uma data diferente a cada semana. Em abril, a empresas pensavam que poderiam voltar em junho. Com o passar do tempo, essa expectativa foi superada pelos indicadores de coronavírus”, disse Rafael Ricarte, líder de Produtos de Carreira da Mercer Brasil.

Por isso, quando questionadas sobre o percentual de funcionários elegíveis para a volta ao trabalho presencial, 40% disseram que isso ainda estava em análise. Outras 20% responderam que até 30% dos colaboradores voltariam em um primeiro momento.

“Esses dados estão bem condizentes com a realidade. Hoje, vejo poucas empresas colocando uma data de retorno. Há muito cuidado para estabelecer data de retorno”, afirma Ricarte.

Então como vai ser o novo normal? Ricarte disse que o que tem sido chamado de novo normal já mudou desde que o termo começou a ser usado. “É bem provável que o novo normal seja algo parecido com o que a gente está vivendo hoje.”

O que isso significa na prática? Significa a permanência do home office para várias categorias profissionais dentro das empresas. A pesquisa mostra que 39% das empresas pretendem migrar funções para o trabalho remoto permanente, 48% analisam essa opção e 13% disseram que não.

Quais as funções que podem migrar definitivamente para o trabalho remoto?

  • Administrativo: 91%
  • Financeiro: 78%
  • Recursos Humanos: 77%
  • Jurídico: 76%
  • Comercial: 58%
  • Atendimento ao cliente: 49%
  • Operacional: 26%

As empresas já possuem programas de saúde para garantir a segurança de seus funcionários ao trabalho presencial? A maioria ainda não o fez:

  • Sim: 36%
  • Não: 23%
  • Em análise: 41%

Qual o problema desse resultado? Ricarte diz que as empresas que não têm um plano de saúde não devem nem pensar em retorno ao trabalho presencial. “Como elas não sabem quando voltarão, não elaboraram um plano de segurança.”

Quais as principais dificuldades para implementar planos de segurança e saúde?

  • Manter o distanciamento no local de trabalho: 78%
  • Falta de disponibilidade de testes de covid-19: 43%
  • Não aderência a hábitos de higienes das mãos: 42%
  • Não aderência a hábitos de higiene respiratória: 41%
  • Absenteísmo por medo de contágio: 35%
  • Falta de máscaras: 18%
  • Falta de termômetros: 12%
  • Falta de material para higiene das mãos: 12%
  • Falta de disposição dos trabalhadores para realizar testes: 4%

Como a empresa vai garantir o distanciamento entre funcionários? A maioria vai alternar dias de trabalho:

  • Rodízio de funcionários: 76%
  • Home office por mais tempo: 74%
  • Placas, marcadores no chão: 64%
  • Mudança no layout: 63%
  • Reduzir jornada ou flexibilizá-la: 45%

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).