A hesitação em relação às vacinas aumentou na União Europeia após a suspensão do imunizante da AstraZeneca. Mais de um terço dos adultos no bloco indicaram que é improvável que sejam imunizados contra a Covid-19.

Depois que vários países da UE suspenderam o uso da vacina da Astra em meados de março, 34% dos entrevistados em pesquisa online da Eurofound disseram que tinham receio em tomar a vacina. Antes da pausa, 25% disseram que era “bastante improvável” ou “muito improvável” que fossem vacinados.

“Esses dados refletem a falha em fornecer comunicação clara e persuasiva sobre a eficácia e segurança das vacinas”, disse Daphne Ahrendt, gerente sênior de pesquisa da Eurofound, em comunicado na quinta-feira.

“A confiança nas vacinas está relacionada à confiança nas instituições, e este é um problema principalmente para formuladores de políticas, mas todos também temos uma responsabilidade coletiva, em toda a sociedade, de garantir que comunicamos e publicamos informações precisas e sólidas sobre a segurança e a importância das vacinas.”

A campanha de vacinação na UE teve um início lento e foi atrasado por preocupações com raros casos de trombose, possivelmente ligados à vacina da Astra. A Agência Europeia de Medicamentos atualizou sua diretriz em abril para incluir o problema como um possível efeito colateral, mas disse que os benefícios da vacina ainda superam os riscos. Quase 30% da população da UE recebeu pelo menos uma dose, em comparação com 46% nos EUA, de acordo com o rastreador de vacinas da Bloomberg.

No período da pesquisa da Eurofound entre fevereiro e março, o índice de hesitação em relação às vacinas foi de 27%. O ceticismo foi maior na Bulgária, com 61% dos participantes da pesquisa indicando dúvidas, e abaixo de 10% na Dinamarca, Malta e Irlanda. O Reino Unido, que recentemente deixou a UE, tem uma das taxas de hesitação mais baixas no mundo.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).